Notícias

Written on 24/04/2013, 13:40 by
ultima-reuniao-unb50anosConcebida para organizar as celebrações do jubileu da UnB, comissão realizou última reunião na segunda-feira. Encerramento foi marcado por homenagens, música,  lançamento de livro, divulgação de resultados de chamada pública e apresentação da Comissão UnB.Futuro Leia mais
Written on 22/04/2013, 21:38 by admin
Em sua 36ª Reunião, realizada nesta segunda-feira (22), a Comissão s apreciou as iniciativas inscritas e aprovou 24 propostas com destinação de recursos para 23 iniciativas (uma não solicitou verba) Leia mais
Written on 21/04/2013, 12:58 by Por Carla Patrícia Santana
Neste artigo, a professora Carla Patrícia Santana (UNEB) descreve com detalhes o envolvimento do acadêmico e crítico literário Heron de Alencar com a construção da  Universidade de Brasília Leia mais
Written on 19/04/2013, 13:49 by leypedrosa
alfredo-bello-pesquisador-e-musico-relembra-vivencia-na-unb Música, pesquisa, produção musical e discotecagem. Também ex-estudante de Música na UnB e ex-integrante de uma das bandas mais conhecidas na década de 90 na Universidade de Brasília. A breve descrição é de Alfredo Bello, músico com presença nacional e internacional a partir do seu trabalho com a Cultura Tradicional Brasileira Leia mais
Written on 19/04/2013, 13:12 by
A última reunião da Comissão UnB 50 Anos será realizada na segunda, 22 de abril de 2013, das 8 às 12h, no Salão de Atos, e das 14h às 18h, no Auditório da Reitoria. A atividade contará com lançamento de livro sobre choro e breve apresentação de músicos Leia mais
Written on 15/04/2013, 18:52 by Por Fernando Molina, Comissão UnB50anos
Com a presença de autoridades e membros da comunidade acadêmica, o Memorial Darcy Ribeiro sediou o lançamento do livro UnB 50 Anos: História Contada, na noite de quinta-feira (11). Leia mais
Written on 13/04/2013, 14:01 by
A história da produção cinematográfica no Distrito Federal e suas perspectivas de futuro são o tema da mostra Luz, Câmera, UnB 50 Anos em Filmes, que será realizada entre os dias 16 e 19 de abril. O evento será no auditório Dois Candangos, à noite, e no auditório da Faculdade de Comunicação, pelas manhãs Leia mais
Written on 10/04/2013, 13:46 by
wasny-unbNa penúltima reunião da Comissão UnB 50 Anos, Wasny de Roure apresenta suas memórias como estudante e debate parcerias com a Universidade Leia mais
Written on 09/04/2013, 17:08 by leypedrosa
personagens-da-unb-contam-cinquenta-anos-de-historiaO livro UnB 50Anos: História Contada traz reportagens, depoimentos e entrevistas sobre o jubileu da universidade. O lançamento aconteceu no Beijódromo no dia 11 de abril com apresentação do músico Clodo Ferreira  Leia mais
Written on 08/04/2013, 13:39 by
chamada-publica-50anos2013A Chamada Pública UnB 50 Anos 1/2013 é voltada para a comunidade acadêmica com propostas relacionadas ao cinquentenário e perspectivas futuras da Universidade de Brasília. O valor máximo por iniciativa é de R$ 8 mil. As inscrições podem ser realizadas até às 17 horas do dia 17 de abril de 2013 Leia mais
Written on 08/04/2013, 12:42 by
A 35ª Reunião da Comissão UnB 50 Anos acontece nesta segunda-feira, 8 de abril, das 14h às 17h25, no Salão de Atos da Reitoria Leia mais
Written on 01/04/2013, 13:35 by UnBTV
unbtv-vozesPrograma de 30 minutos será apresentado pelo professor de Relações Internacionais Argemiro Procópio Leia mais
Written on 27/03/2013, 13:01 by Barbara Arato
cidadao-coutinhoArquiteto José Carlos Córdova Coutinho receberá o título de cidadão honorário de Brasília no próximo dia 19. Em visita à UnB, deputada Arlete Sampaio convidou reitor para mesa de abertura Leia mais
Written on 21/03/2013, 14:22 by
Saiba os locais e datas das capacitações para inscrições em editais do FAC da Secretaria de Cultura Leia mais
Written on 20/03/2013, 12:53 by
ex-reitores-comissaoReunião da Comissão UnB 50 Anos contou com presença de Cristovam Buarque e João Claudio Todorov. Encontro promove homenagem ao professor Novión (DAN) e lança Chamada Pública UnB 50 Anos 2013 Leia mais
Written on 13/03/2013, 14:33 by Helival Rios
depoimento-helival-riosEstimulado pelas crônicas divulgadas no site,  o jornalista Helival Rios resolveu deixar registradas suas memórias dos primeiros anos de alojamento estudantil na UnB. Leia mais
Written on 13/03/2013, 12:53 by leypedrosa
medistch“Lembro-me de brincar entre as obras da UnB”, relata o professor de jornalismo da UFSC, Eduardo Meditsch, que viveu 2 anos de sua infância na Colina entre 1964 e 1965. Leia mais
Written on 12/03/2013, 12:57 by
A 34ª Reunião da Comissão acontece nesta segunda-feira, 18 de março de 2013, das 14h às 17h, no Salão de Atos da Reitoria Leia mais
Written on 11/03/2013, 18:08 by Luiz Fernando Molina, Secretaria de Comunicação
Engenheiro espanhol, naturalizado brasileiro, lançou livro de memórias sobre seus anos à frente da UnB Leia mais
Written on 04/03/2013, 18:14 by admin
Desde seus primeiros contatos com a UnB até a sua atuação como reitor, Antônio Ibañez Ruiz relata fases distintas de participação na instituição. Confira, em vídeo, trechos do depoimento Leia mais
Written on 01/03/2013, 12:31 by
A 33ª Reunião da Comissão acontece nesta segunda-feira, 4 de março de 2013, das 14h às 17h, no Salão de Atos da Reitoria Leia mais
Written on 26/02/2013, 13:52 by admin
comissao-reuniaoR$ 100 mil vão ser investidos em projetos culturais de comemoração dos 50 Anos da UnB Leia mais
Written on 22/02/2013, 13:11 by
A UnB e a Secretaria de Cultura realizam oficina gratuita de elaboração de projetos culturais na sexta-feira, 1° de março, das 8h20 às 12h, na Faculdade de Comunicação Leia mais
Written on 20/02/2013, 12:40 by UnB50Anos*
edital-da-secretaria-de-cultura-recebe-inscricoes-para-fomentar-producoes-artisticas-sobre-a-unb2Secretaria de Cultura do DF lança edital do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) voltado para retratar a memória da UnB. A Universidade também lançará, em breve, Chamada Pública dirigida à comunidade acadêmica Leia mais
Written on 20/02/2013, 12:33 by Cristiano / UnBAgência
russia-unbNova tecnologia russa de posicionamento global vai ampliar pesquisas da UnB em engenharia aeroespacial Leia mais
Written on 20/02/2013, 11:48 by UnB50Anos*
edital-da-secretaria-de-cultura-recebe-inscricoes-para-fomentar-producoes-artisticas-sobre-a-unbSecretaria de Cultura do DF lança edital do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) voltado para retratar a memória da UnB. A Universidade também lançará, em breve, Chamada Pública da UnB dirigida à comunidade acadêmica Leia mais
Written on 18/02/2013, 06:49 by Thiago Vilela
Em vídeo, os atuais representantes do DCE da UnB relatam suas expectativas para o ano letivo de 2013. Os estudantes também dão suas sugestões de comemorações para a UnB que, no dia 21 de abril, completa seu ciclo de meio século de criação Leia mais
Written on 15/02/2013, 11:57 by
A 32ª Reunião da comissão acontece nesta segunda-feira, 18 de fevereiro, das 14h às 17h, no Salão de Atos da Reitoria Leia mais
Written on 14/02/2013, 11:43 by Leonardo Echeverria e Luciana Barreto
internet-acesso-unbClassificação do governo da Espanha mede a presença da produção científica e acadêmica disponível na rede. No ranking mundial, UnB subiu 130 posições Leia mais
Written on 07/02/2013, 12:07 by Luiz Martins da Silva
luiz-martins-da-silvaEm crônica descontraída sobre o período em que viveu no “CO”, como era chamada a CEU na época, o agora professor da Faculdade de Comunicação contextualiza a história dos alojamentos da UnB e conta casos de repressão a estudantes-moradores.   Leia mais
Written on 06/02/2013, 13:44 by admin
O Correio Braziliense publicou uma série de 4 reportagens chamadas "Mestres de Darcy". O portal UnB 50 Anos recebeu autorização para republicá-la no portal comemorativo que registra uma conversa com os educadores pioneiros Aryon Rodrigues, Luis Humberto, Glênio Bianchetti, João Filgueiras Limas e Roberto Salmeron Leia mais
Written on 06/02/2013, 01:20 by Thiago
O software Participar, que é multimídia, gratuito e serve de apoio à alfabetização e comunicação alternativa de jovens e adultos com deficiência intelectual, foi tema de reportagem especial do SBT na última semana.  Leia mais
Written on 05/02/2013, 22:14 by admin
A equipe da UnB50Anos entrevistou Ivoneide de Oliveira, funcionária da Faculdade de Comunicação, que traçou um perfil da instituição Leia mais
Written on 03/02/2013, 18:56 by
Crônicas sobre a história do DF marcam reunião da Comissão UnB 50 Anos. Celebração do Jubileu tem atividades programadas até abril Leia mais
Written on 24/01/2013, 12:37 by Cristiano Torres
emil-m-mrakProfessor emérito recebe o Emil M. Mrak International Award 2013, em 1º de fevereiro, em solenidade na Universidade Califórnia-Davis, em San Jose, EUA Leia mais
Written on 16/01/2013, 12:40 by leypedrosa
vladimir-relatoEm depoimento à Comissão UnB  50 Anos, o cineasta conta um pouco de sua história na UnB. Reunião contou com apresentação de aplicativo com mapas e dicas sobre o campus Darcy Ribeiro Leia mais
Written on 15/01/2013, 13:24 by pv
historias-ceuO ator Reverson dos Anjos revela, em depoimento ao portal, que os melhores anos da sua vida foram os que passou na Casa do Estudante da UnB (CEU) Leia mais
Written on 26/12/2012, 12:46 by
Confira a pauta da 30ª Reunião da Comissão UnB 50 Anos. A atividade será realizada no dia 14 de janeiro de 2013, no Salão de Atos da Reitoria Leia mais
Written on 19/12/2012, 02:48 by
a-historia-de-quem-faz-historiaProfessora Geralda Dias conta sua trajetória para Comissão UnB 50 Anos. Leia mais
Written on 18/12/2012, 13:40 by pv
depoimento-ceu-guilhermeGuilherme Moura Fagundes morou na Casa do Estudante Universitário (CEU) desde o começo de sua graduação em Ciências Sociais até o desalojamento da Casa para reforma. Após se formar, passou em primeiro lugar na seleção de mestrado em Antropologia na UnB, resultado que atribui à política de cotas e de assistência estudantil da Universidade. Leia mais
Written on 18/12/2012, 12:31 by Marcela Ulhoa
mestres-de-darcy-aryon-rodriguesO Correio Braziliense publicou reportagens sobre os MESTRES DE DARCY, em referência ao começo da UnB.  Confira a conversa com o professor e linguista Aryon Rodrigues, que ajudou a idealizar o curso-tronco de letras na universidade Leia mais
Written on 14/12/2012, 14:09 by Diogo Lopes, SECOM/UnB
A UnB foi citada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) como exemplo de universidade federal que, dentro de dois anos, pode alcançar a pontuação máxima do Índice Geral de Cursos (avaliação oficial do governo). Segundo o presidente do Inep, Luiz Claudio Costa, a UnB está muito próxima de alcançar a nota 5. Leia mais
Written on 13/12/2012, 14:23 by Cristiano Torres, SECOM/UnB
Na última terça-feira, 11 de dezembro, a chapa Aliança pela Liberdade foi reeleita para o segundo mandato no Diretório Central dos Estudantes, com 45,08% dos 7,5 mil votos válidos. A equipe tomou posse em reunião do Conselho das Entidades de Base (CEB) e na presença de representantes de 24 centros acadêmicos. Leia mais
Written on 13/12/2012, 11:10 by
Pauta da 29ª Reunião da Comissão UnB 50 Anos a ser realizada na segunda, 17 de dezembro de 2012, das 14h às 17h10, no Salão de Atos da Reitoria. Leia mais
Written on 12/12/2012, 15:47 by Paulo Castro, UnB Agência
coral-dos-cinquentoes-traz-repertorio-natalino-a-unbOs funcionários que circulam pelo prédio da Reitoria da Universidade de Brasília foram brindados, no final da tarde desta quarta-feira, 12 de dezembro, com um presente musical natalino. Leia mais
Written on 12/12/2012, 12:46 by Marcela Ulhoa
O Correio Braziliense publicou uma série de reportagens sobre os MESTRES DE DARCY. Confira trecho da matéria sobre a participação de Roberto Salmeron e João Filgueiras Leia mais
Written on 12/12/2012, 04:57 by Emily Almeida, Centro Acadêmico de Comunicação
lancamento-do-promemeu-e-um-sucessoCedoc e UnBTV produziram documentário que resgata a história do movimento estudantil da universidade Leia mais
Written on 11/12/2012, 14:11 by Jairo Macedo, Secom/UnB
Um grupo da Faculdade de Ciências da Informação (FCI) dedica-se à discussão sobre a produção, circulação, conservação e uso de fotografias dentro e fora do âmbito universitário. Leia mais
Written on 11/12/2012, 12:36 by Marcela Ulhoa
mestres-darcy-glenio-bianchetti O Correio Braziliense publicou uma série de reportagens sobre os MESTRES DE DARCY. Confira a conversa com o professor e artista Glënio Bianchetti e sua vinda de Porto Alegre para a capital do país Leia mais
Written on 11/12/2012, 11:53 by
Uma fase importante do movimento estudantil na UnB é o tema do documentário Promemeu – História e Memória em Construção, produzido pelo Cedoc. Leia mais
Written on 10/12/2012, 12:20 by Marcela Ulhoa
mestres-darcy-luiz-humbertoO Correio Braziliense publicou uma série de reportagens sobre os MESTRES DE DARCY. Confira a conversa com o professor, arquiteto e fotógrafo Luis Humberto. Reportagem publicada no Correio Braziliense no dia 10/12/12. Leia mais
Written on 07/12/2012, 12:04 by leypedrosa
Reunimos links de matérias, crônicas, galerias de imagens e outros conteúdos produzidos sobre o arquiteto Oscar Niemeyer que tenham abordado sua relação com a UnB Leia mais
Written on 06/12/2012, 11:50 by Luciana Barreto
poeta-do-concretoO ícone da arquitetura moderna falece aos 104 anos. Ao lado de Darcy Ribeiro e de Anísio Teixeira, ele compõe o tripé fundador da Universidade de Brasília Leia mais
Written on 06/12/2012, 01:18 by
niemeyer-em-50-esbocosfoto de capa: Darcy e Niemeyer  (Jornal do Brasil)texto original disponível em PDF. O arquiteto Oscar Niemeyer, que ajudou a projetar Brasília e a conceber os primeiros traços da UnB, morreu na noite desta quarta-feira (5), aos 104 anos, com complicações de saúde. Leia mais
Written on 05/12/2012, 02:43 by
universidade-de-brasilia-celebra-cinquentenario-ate-abril-de-2013Reunião da Comissão UnB 50 Anos debate iniciativas de comemoração do Jubileu. UnBTV pretende se transformar em canal aberto Leia mais
Written on 29/11/2012, 12:13 by Edição: Leyberson Pedrosa
desenhista-mignotAtualmente servidor público da UnB, o desenhista Fernando Mignot conta sua relação de pertencimento com instituição mesmo sem terminar os cursos que ingressou. Leia mais
Written on 27/11/2012, 14:02 by leypedrosa
neusa-entrevistaObras em construção, carona solidária, entrosamento entre os estudantes, participação voluntária e aulas magnas. 2012? Não. Conheça como era a realidade dos primeiros estudantes da UnB em 1962. Leia mais
Written on 26/11/2012, 20:03 by SeCom
engenharia-eletrica-festeja-45-anos-de-atividades Departamento aproveitou a comemoração para render homenagem ao professor Sérgio Barroso, falecido em 2007. Leia mais
Written on 23/11/2012, 18:25 by leypedrosa
apos-40-anos-de-trabalho-no-campus-darcy-ribeiro-seu-gilson-revela-que-mantem-as-esperancas-de-uma-universidade-mais-unidaApós mais de 40 anos de trabalho no Campus Darcy Ribeiro, Gilson afirma que mantém as esperanças de uma universidade mais unida em seus ideais Leia mais
Written on 22/11/2012, 11:57 by Thiago
estudantes-criam-aplicativo-mochileiro-da-unb-para-android Estudantes da Engenharia de Computação (EC) lançarão, em dezembro, aplicativo "Guia do Mochileiro da UnB". Iniciativa faz parte dos projetos contemplados no edital UnB50anos. Leia mais
Written on 21/11/2012, 19:21 by Cristiano Torres
novo-dirigente-nomeia-sonia-bao-vice-reitora-e-tambem-os-decanosNomeção marcou início dos trabalhos na chegada ao gabinete na Reitoria, após solenidade de posse no MEC Leia mais
Written on 21/11/2012, 18:58 by leypedrosa
angelo-satyroMoradia estudantil, cotas e convívio com estudantes negros na UnB: esses são alguns temas abordado pelo antropólogo Angelo Sátyro em depoimento sobre sua relação com a instituição Leia mais
Written on 21/11/2012, 18:00 by Grace Perpetuo
ivan-cerimonia-assume-unbNovo reitor homenageia o pai ao tomar posse em auditório lotado no Ministério da Educação, ao lado da família, em cerimônia que contou com a presença de deputados, senadores, professores, alunos e servidores Leia mais
Written on 20/11/2012, 18:52 by leypedrosa
chico-da-barbearia-conta-como-chegou-na-unbDe suas antigas e resistentes cadeiras Ferrante, Francisco Amorim conta sobre personagens que passaram pela barbearia do Chico ao longo de seus 45 anos na UnB. Leia mais
Written on 20/11/2012, 12:53 by
Confira a pauta prevista para 28ª Reunião da Comissão “UnB 50 Anos” marcada para segunda-feira (3) Leia mais
Written on 20/11/2012, 10:44 by Taís Guerino, SECOM/UnB
ivan-camargo-toma-posse-nesta-terca-feira-como-reitor-da-unbCerimônia será realizada no MEC, às 15h. Amanhã, às 9h30, em solenidade aberta no Centro Comunitário Athos Bulcão, haverá a transmissão do cargo. Leia mais
Written on 17/11/2012, 11:08 by Fernando Molina, da Comissão UnB50anos
comissao-unb-50-anos-homenageia-fundadoresReunião debate atividades desenvolvidas em 2012 e planeja ações para o próximo ano. No encontro, participantes assistiram depoimentos dos professores Isaac Roitman e José Carlos Coutinho. Leia mais
Written on 11/11/2012, 01:07 by SeCom
software-participar-recebe-premio-nacional O software Participar, que é multimídia, gratuito e serve de apoio à alfabetização e comunicação alternativa de jovens e adultos com deficiência intelectual, foi vencedor na categoria Setor Público - Desenvolvimento Tecnológico, em concurso realizado pela revista A Rede. Participar foi um dos 51 projetos a receber apoio da Comissão UnB 50 Anos, em edital lançado em julho, em comemoração ao jubileu da universidade. Leia mais
Written on 10/11/2012, 15:26 by Thiago
70-anos-de-militancia-e-musicaEra dezembro de 1968. Jorge Antunes, recém-formado pela Universidade do Brasil (agora UFRJ), era um jovem professor do Instituto Villa Lobos, no Rio de Janeiro. Presidente do Centro Acadêmico da Escola de Música, foi pego de surpresa: fora promulgado o Ato Institucional 5, mais conhecido como AI-5. Leia mais
Written on 04/11/2012, 16:32 by Thiago Vilela
encontro-reune-estudantes-africanos-na-unbParticipantes destacaram a necessidade de se aprimorar a relação entre o Brasil e o continente africano e desconstruir as ilusões sobre a África disseminados na população. Leia mais
Written on 02/11/2012, 13:44 by
Reitor José Geraldo publica carta em que destaca atividades que marcaram o início do 2º semestre de 2012. Leia mais
Written on 30/10/2012, 08:36 by leypedrosa
Seminário homenageia os 40 anos da pós-graduação em Antropologia Social com a realização de mesas, mostras fotográficas e exibição de filmes Leia mais
Written on 30/10/2012, 08:26 by Fernando Molina
comissao-unb-50-anos-faz-balanco-das-atividades-do-jubileuA reunião foi brindada com a notícia do prêmio concedido pela revista ARede para a equipe que desenvolveu o software Participar. Leia mais
Written on 29/10/2012, 19:34 by
Pauta prevista para 26ª Reunião da Comissão “UnB 50 Anos” a ser realizada na terça, 30 de outubro de 2012, das 15h30 às 18h15, no Salão de Atos da Reitoria. Leia mais
Written on 29/10/2012, 19:03 by Ana Lúcia Moura e Grace Perpetuo - SECOM/UnB
campus-em-efervescenciaSemana Universitária e Flaac trazem ao campus 480 atividades, que se somam à recepção aos calouros, na sexta, e a Aula da Inquietação, na terça, com o sociólogo Boaventura Sousa Santos. Leia mais
Written on 29/10/2012, 18:27 by Cristiano Torres - SECOM/UnB
Sociólogo português recebe hoje o título de Doutor Honoris Causa e amanhã irá oferecer Aula da Inquietação para os estudantes. Leia mais
Written on 29/10/2012, 17:24 by
memoria-passada-a-limpoSimpósio relembra e debate a repressão sofrida pela Universidade de Brasília durante o período da ditadura militar. Leia mais
Written on 26/10/2012, 21:13 by Thiago
de-olho-nas-estrelas-planetario-itineranteO observatório móvel é utilizado, desde 2007, como atividade de extensão. Com ele são realizadas visitas nas escolas públicas do Distrito Federal, nas quais os alunos aprendem um pouco sobre astronomia e despertam a curiosidade científica. Leia mais
Written on 26/10/2012, 15:56 by Grace Perpetuo - SECOM/UnB
calouros-sao-apresentados-a-unb-com-oficinas-e-passeiosProjeto de recepção levou mais de 200 alunos recém-ingressos na Universidade de Brasília a experimentar uma variedade de atividades - como o Tour Cultural, o Tour Científico e a Oficina de Caiaque. Leia mais
Written on 26/10/2012, 15:48 by José Geraldo de Sousa Junior
Discurso proferido pelo excelentíssimo reitor José Geraldo de Sousa na abertura da cerimônia de boas vindas aos calouros, em 26 de outubro de 2012. Leia mais
Written on 26/10/2012, 15:39 by Cristiano Torres - SECOM/UnB
Primeiros quatro dias do evento trazem 20 mil alunos e 4 mil professores da rede pública à Universidade de Brasília, além de 9 mil visitantes. Leia mais
Written on 25/10/2012, 16:40 by Assessoria FLAAC 2012
Festival Latino-americano e Africano de Arte e Cultura apresenta grande programação, integrada à Semana Universitária. Leia mais
Written on 25/10/2012, 16:33 by Diretoria de Esporte, Arte e Cultura com UnB Agência
Bandas que participaram das 14 edições do Festival Universitário de Música Candanga fazem shows, a partir das 17h, no campus Darcy Ribeiro. Leia mais
Written on 25/10/2012, 16:25 by Dayene Peixoto - SECOM/UnB
pintou-poesiaProgramação do Festival Latino-americano e Africano de Arte e Cultura agrada a criançada, que se mistura em meio à multidão que percorre os campi em atividades da Semana Universitária. Leia mais
Written on 25/10/2012, 16:11 by Assessoria FLAAC 2012
Programação do festival termina neste sábado, 27, às 18h, com apresentação do grupo Olodum. Leia mais
Written on 25/10/2012, 13:57 by admin
No campo Programação do Hotsite, você encontra a programação de vários eventos realizados a partir da Chamada Pública UnB 50 Anos Leia mais
Written on 25/10/2012, 02:29 by Thiago
simposio-unb50-anosPara responder essa e outras perguntas, começou nesta quarta-feira, 24, o Simpósio UnB50anos. Leia mais
Written on 24/10/2012, 17:02 by Cristiano Torres - SECOM/UnB
seminario-apresenta-propostas-sobre-gestao-da-memoria-na-unbEvento propôs a organização de uma rede, entre os centros e as unidades acadêmicas da Universidade, para formalizar a política de informação e comunicação da Instituição. Leia mais
Written on 24/10/2012, 17:00 by Débora Cronemberger - SECOM/UnB
Universidade é escolhida referência na área pela quarta vez consecutiva pelo Guia do Estudante. Publicação da Editora Abril avaliou cursos de 1.574 instituições de ensino superior públicas e privadas. Leia mais
Written on 23/10/2012, 21:56 by Núcleo de Comunicação Social da CAL
Mostra de cinema no Museu da República expõe, até o próximo sábado, cenas de uma cidade em construção e transformação. Leia mais
Written on 23/10/2012, 21:52 by Luciana Barreto - SECOM/UnB
mestre-do-bumba-meu-boi-e-da-cultura-popular-e-reverenciado-na-unbEm cerimônia marcada por bois e tambores, UnB concede o título de Mérito Universitário Post Mortem a Teodoro Freire, fundador do Centro de Tradições Populares do DF e servidor pioneiro da UnB. Leia mais
Written on 23/10/2012, 21:50 by Dayene Peixoto - SECOM/UnB
estudantes-de-colegios-publicos-fazem-perguntas-ao-reitorLei de Cotas, expansão do campus para outras cidades e ampliação da oferta de cursos foram os temas mais abordados pelos alunos do ensino médio. Leia mais
Written on 23/10/2012, 15:17 by Assessoria de Comunicação do FLAAC
No período de 22 a 27 de outubro, a Universidade de Brasília recebe uma imensa lista de atividades como parte da programação do Festival Latino-americano e Africano de Arte e Cultura – FLAAC 2012. Leia mais
Written on 22/10/2012, 17:04 by Débora Cronemberger
mauricio-gomes-pereira-e-professor-emerito-da-unbEm uma solenidade emocionante, com discursos comovidos e belas apresentações musicais, o médico Maurício Gomes Pereira ingressou, nesta segunda-feira, 22 de outubro, no seleto rol de professores eméritos da Universidade de Brasília. Com 44 anos de carreira na UnB, permanece em atividade na Universidade como professor colaborador voluntário. Leia mais
Written on 22/10/2012, 16:46 by Thiago
Começa hoje (22), conectada à programação da Comissão UnB 50 Anos (1962-2012), a 12a edição da Semana Universitária, que segue até o dia 26 de outubro nos quatro campi da Universidade de Brasília (Darcy Ribeiro, Ceilândia, Gama e Planaltina). Leia mais
Written on 22/10/2012, 15:36 by Gabriela Corrêa e Naiara Leão
nova-darcy-traz-destaques-da-nanotecnologia-e-edicao-para-criancas A nova edição da DARCY, revista de divulgação científica e cultural da Universidade de Brasília, chegou cheia de novidades. Entre reportagens sobre novas pesquisas em nanotecnologia, economia verde, geração de energias alternativas e agricultura, está uma inovação que vai mexer com o público mais jovem. Darcyzinho, a revista de ciência para crianças, mostra a UnB e suas pesquisas com uma linguagem diferente, especialmente voltada para estudantes de 7 a 12 anos. As duas edições foram lançadas durante a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, que aconteceu no Parque da Cidade, e está sendo distribuída para alunos da universidade e do ensino básico durante a Semana Universitária, que acontece nos quatro campi da UnB até sexta-feira. O destaque principal da DARCY 12 são as pesquisas feitas com partículas submicroscópicas, medidas em nanômetros (o equivalente a um milímetro divido por um milhão), que estão vencendo batalhas significativas contra o câncer, como a da doutoranda Simone Karst. Em um tratamento pioneiro no país, ela alcançou 98,5% de cura em lesões iniciais de câncer de pele usando nanotecnologia. “O potencial da nanotecnologia é fantástico, chega a ser coisa de ficção. Inclusive o Brasil tem proporcionado verbas significativas para os estudos”, afirma a professora Zulmira Lacava, do Instituto de Ciências Biológicas. Acompanhando o tema da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, DARCY traz um dossiê especial sobre economia verde e desenvolvimento sustentável. Uma das reportagens faz uma viagem ao interior do Pará, onde engenheiros da UnB desenvolvem uma turbina sustentável que aproveita a energia desperdiçada pela Usina Hidrelétrica do Tucuruí, gerando novas alternativas para as comunidades ribeirinhas. Trata-se de um projeto liderado pela Faculdade de Tecnologia que envolve sete universidades e cinco empresas de tecnologia. Segundo o professor Antonio Brasil, o projeto que gera energia sem impactos ambientais pode criar novas cadeias produtivas para as populações ribeirinhas. "Isso pode se tornar um diferencial de mercado importante para essas comunidades. Serão produtos com a marca da sustentabilidade", diz Brasil. A revista também desvenda os mistérios da economia verde: é possível conciliar dinheiro e meio ambiente? Sim, dizem os pesquisadores, desde que se estabeleça o real valor financeiro da sustentabilidade. DARCY traz ainda um perfil do professor Nagib Nassar, egípcio que veio ao Brasil há 40 anos para produzir mandiocas mais nutritivas e resistentes a pragas. No ensaio, uma viagem visual pela Fazenda Água Limpa, propriedade da UnB que guarda uma variedade inimaginável de animais, árvores, alimentos e ideias inovadoras. Estudante de Ciências Ambientais da UnB, Andressa Regina da Cunha recebeu sua DARCY na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia e gostou do que leu: “Tem que colocar esse tema em voga mesmo. A gente precisa pensar no desenvolvimento como algo que não dá mais para separar da ideia de sustentabilidade”, disse a leitora. Mas o grande sucesso no maior evento de divulgação científica do país foi a Darcyzinho, versão da DARCY com foco no ensino fundamental. Eduardo Souza, 13 anos, estudante da Escola Classe 01 (EC1) de Candongolândia, não sabia quem era Darcy Ribeiro e não conhecia Universidade de Brasília, mas sabe exatamente o que quer ser quando crescer. “Quero estudar robótica na faculdade”, disse Eduardo animado enquanto folheava um exemplar da Darcyzinho. Leia mais
Written on 22/10/2012, 13:03 by Grace Perpetuo - SECOM/UnB
cerimonia-realizada-no-instituto-de-artes-nesta-sexta-feira-19-marcou-tambem-a-abertura-da-exposicao-milton-ribeiro-uma-constelacaoNo fim de uma tarde dourada no campus Darcy Ribeiro, um seleto grupo de pessoas assiste – em discreto êxtase – ao desenrolar de uma cerimônia incomum. Na tarde da sexta-feira, dia de seu aniversário de 90 anos, o artista plástico e mestre aposentado Milton Martins Ribeiro recebeu das mãos do reitor José Geraldo de Sousa Junior o título de professor emérito da Universidade de Brasília. Leia mais
Written on 19/10/2012, 16:49 by Grace Perpetuo - SECOM/UnB
unb-celebra-90-anos-de-milton-ribeiro-com-titulo-de-professor-emeritoNo fim de uma tarde dourada no campus Darcy Ribeiro, um seleto grupo de pessoas assiste – em discreto êxtase – ao desenrolar de uma cerimônia incomum. Leia mais
Written on 18/10/2012, 17:48 by Jairo Macedo - SECOM/UnB
lancamentos-relembram-darcy-ribeiro-e-outros-pensadores-brasileirosLivro Beijódromo rememora a construção do Memorial Darcy Ribeiro e série Realidade Brasileira trata de seis grandes pensadores da identidade nacional. Foto: LF Barcelos/UnB Agência Arrojo e simplicidade, modernidade e tradição. No engenhoso e belo espaço desenhado para abrigar a memória do grande pensador brasileiro e idealizador da Universidade de Brasília, dois lançamentos simultâneos realizados na noite desta quarta-feira, 18, lotaram o auditório do Memorial Darcy Ribeiro. O livro Beijódromo e a série Realidade Brasileira, uma mistura de documento impresso e documentário audiovisual, foram celebrados por diversos nomes importantes da vida acadêmica nacional. Em comum, a participação direta da Fundação Darcy Ribeiro (Fundar) em ambas as obras. Mais que isso, a lembrança do próprio Darcy Ribeiro, antropólogo, escritor e educador presente em memória e pensamento nos dois documentos. “O Memorial carrega, para além do selo da autoria de Lelé, o pensamento de Darcy, a amizade e o trabalho dos dois”, definiu o reitor José Geraldo de Sousa Junior, lembrando da figura de Darcy Ribeiro e do arquiteto João da Gama Filgueiras Lima, o Lelé, tendo em vista a homenagem feita por meio do Memorial e, a partir de agora, também do livro. Fruto de parceria entre a Fundar e a Editora UnB, o livro Beijódromo foi previsto como uma contrapartida do convênio que foi celebrado entre a Universidade e o Ministério da Cultura para a construção do prédio sediado no coração do campus. Em suas 165 páginas, o livro conta passo a passo como foi a edificação do Memorial, por meio de correspondências entre Darcy, Lelé e o então reitor da Universidade de Brasília, João Cláudio Todorov. Além disso, o volume apresenta as plantas do projeto, uma generosa quantidade de fotos e ainda textos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, "patrono" do projeto do Beijódromo desde seu início, do reitor José Geraldo, de Paulo Ribeiro, presidente da Fundar, da professora Claudia Estrela Porto, do ex-ministro da Cultura Juca Ferreira e do próprio Lelé. Sem caráter comercial, a obra será distribuída a bibliotecas públicas. “Lula soube compreender o sentido que queríamos dar ao Memorial, injetou ânimo na obra e pôs o Ministério da Cultura em plena sintona conosco”, diz o reitor José Geraldo de Sousa Junior. Lula esteve presente na cerimônia de inauguração do Beijódromo junto a José Mujica, presidente do Uruguai, um dos seis países da América Latina em que Darcy Ribeiro residiu. Em seu texto no livro, chamado O Legado de Darcy, o ex-presidente atesta a pluralidade de atuação do pensador: “Darcy foi um homem de sete instrumentos e de muitas paixões. Antropólogo, professor, político, indigenista, educador, romancista e agitador cultural: um homem em permanente estado de exaltação pelo Brasil”. CONCEITO - Quando em vida, Darcy Ribeiro nunca escondeu a intenção de construir a sede definitiva de sua fundação dentro da Universidade que ajudou a erguer. “Mas não será uma fundação careta”, escreveu ele, “Será o Beijódromo de Darcy, onde se reunirão punhados de livros, objetos de arte, arquivos e salão de leitura. Enorme, sem janela, com iluminação zenital, na forma de oca ou disco voador. Um palco para serestas e leituras de teatro, para namorar, beijar e ver a lua cheia”. Para tamanha empreitada, encomendou a tarefa a Lelé. A partir de 1996, o arquiteto desenvolveu o projeto, objetivando sempre a ideia inicial do amigo, morto em 1997. O prédio finalmente entrou em construção em 2010, com recursos do Ministério da Cultura e da Fundar, e foi inaugurado em dezembro daquele ano. Uma edificação circular de dois andares, 32,2m de diâmetro interno, 37m de diâmetro de cobertura e um espaço circular ajardinado ao centro, cujo terreno foi cedido pela UnB por 30 anos e, após esse prazo, será incorporado como patrimônio da Universidade. “Lelé traduziu o pensamento de Darcy e construiu essa que é a casa dos indignados, a casa da utopia, a casa de todos. Precisou de mais de 10 anos para virar realidade, mas aí está”, definiu Paulo Ribeiro. HORA CERTA – Visivelmente emocionado, Paulo Ribeiro não escondeu a felicidade quanto ao lançamento do registro. “A Fundação Darcy Ribeiro, quando se junta à UnB, cumpre um desejo de colaboração apoiado sempre por Darcy”, afirma ele. Paulo, contudo, relembra que houve muitos conflitos com outras gestões da Universidade para que o projeto saísse do papel. “É incrível como outros reitores não se sensibilizaram com essa causa. Foi mais de uma década de articulação para que a Universidade de Brasília, na figura do reitor José Geraldo, se importasse com o projeto e trabalhasse para sua criação”. Em resposta, José Geraldo de Sousa Junior ressaltou que, atrasos à parte, o importante é que um registro como o livro Beijódromo tenha vindo em boa hora, na semana do Dia do Professor, no ano em que a Universidade comemora 50 anos e Darcy Ribeiro, se vivo, completaria 90 anos. “Apenas estive à altura das circunstâncias. Me dei conta de que, quando a proposta foi avistada em minha gestão, seria uma ótima oportunidade de celebração dessas datas simbólicas. Além do mais, vivemos um momento de universalização do acesso à academia, com a implantação de cotas. Aderimos a elas sem recuar, agregando o programa que já tínhamos, e estou certo de que esse seria um desejo de Darcy”, declarou o reitor. José Geraldo de Sousa Junior lembrou ainda que uma audiência pública foi realizada quando da proposição do projeto. “Não só os arquitetos aprovaram, mas também os antropólogos presentes, os artistas e pensadores de todas as áreas. Somos, assim, os intérpretes dos compromissos de Darcy. As etapas da construção foram, do início ao fim, com o espírito dele vivamente em nós. Na inauguração, 120 caiapós estiveram aqui representando-o”. Sérgio Mamberti acrescentou que a primeira reunião envolvendo o MinC, então comandado por Gilberto Gil, tinha a previsão de durar apenas 20 minutos, mas terminou em uma conversa descontraída e regada a música - “bem ao estilo de Darcy Ribeiro”, segundo ele. “O Beijódromo foi feito assim, como significado da UnB enquanto referência de fraternidade e de celebração de espíritos livres”, completou Mamberti. Foto: CEDOC/UnB Agência RAZÃO E EMOÇÃO - Lúcia Pulino frisou que é uma honra para a editora UnB participar de um projeto que, segundo ela, ressalta a concepção primordial de toda a universidade. “Aqui foi construída uma outra lógica de universidade, sempre junto à cidade de Brasília, fundida a ela e se tornando, juntas, dois projetos grandes e ambiciosos”. Ressaltando o curioso nome da construção, ela lembrou da reação inicial de quem por ali passava. “Diziam 'ali é um lugar para beijar', e não estavam errados. É um espaço de afeto, uma oca espacial unindo céu e terra, pensada para surpreender a todos com sabedoria e encantamento. Ela nos convida a sentir e conhecer outro edifício, simbólico, o da memória de toda a Universidade de Brasília”. Paulo Ribeiro concorda e acrescenta: “Brasília significa isso: um grupo de intelectuais tendo o sonho de construir um sentimento de nacionalidade. Trazer o destino em suas mãos, ser autônomo, belo, tolerante e diverso”. José Geraldo de Sousa, por sua vez, remontou suas lembranças ao momento seguinte ao da construção. “Na semana em que inauguramos o Beijódromo, houve quem dissesse que a UnB estava estatizando o erotismo ao implantar esse nome”, lembra. A reação absurda, segundo Paulo Ribeiro, provém da coragem do antropólogo, que defendeu liberdades que ainda hoje provocam controvérsia. “O Projeto precisa mesmo trazer estranheza e fascínio para esses jovens que circulam pelo campus. Darcy Ribeiro sonhou essa casa e ousou chamar de Beijódromo, que ele afirmava ser como um irmão do Sambódromo. Como não sabia sambar, convidou quem o fizesse por ele, como o Lelé”, brinca o presidente da Fundar. “Darcy estava à frente de seu tempo. Era um intelectual consistente, pensador de temáticas densas, mas também sempre carregado de emoção. É assim que a Universidade deve ser: razão e emoção. Pensar com sentimento e compromisso”, completou o reitor José Geraldo de Sousa Junior. Foto: CEDOC UnB/Agência REALIDADE BRASILEIRA – A outra face do noite de lançamento também guarda íntima relação com o antropólogo fundador da UnB. A série Realidade Brasileira – grandes pensadores é composta inicialmente de seis documentários visuais, com uma média de 54 minutos cada, e seus respectivos documentos impressos, integrando-se como duas faces complementares de um mesmo projeto. Cada dupla de documento/vídeo trata de um pensador brasileiro, já falecido, mas de grande importância na luta pela democracia, pensamento livre e fortuna crítica na construção de nação. São eles: o historiador Caio Prado Junior, o economista Celso Furtado, a religiosa educadora Madre Cristina, o educador Paulo Freire, o sociólogo Florestan Fernandes e o próprio Darcy Ribeiro. A série foi viabilizada através da Fundação Darcy Ribeiro, com o apoio do Ministério da Cultura, TV E-Paraná e a Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF), vinculada ao MST. Também sem fins lucrativos, o projeto distribuirá oito mil kits a televisões, universidades, movimentos sociais, pontos de cultura, escolas e bibliotecas públicas, a fim de estimular dentro de sala de aula o conhecimento sobre o que produziram esses brasileiros. A formação do conteúdo foi supervisionada por diversos consultores, intelectuais de conhecimento científico vasto sobre as áreas de cada autor abordado. "A ENFF se preocupa com a formação política e ideológica dos jovens desde que foi criada, em 1998, visando oferecer cursos que aproximem MST e universidades públicas e que pensem os movimentos sociais. Através dos documentários, queremos criar o espírito crítico no brasileiro, sem o qual mudanças concretas não acontecerão”, afirma Geraldo Gasparin, lembrando que Darcy Ribeiro tinha o MST na conta de “movimento mais importante da história brasileira”. Por que esses nomes escolhidos? “Porque esses intelectuais militaram durante o século XX e, neste período, foram os primeiros que voltaram seu olhar para o Brasil e propuseram soluções para nosso atraso. Por vezes, o intelectual brasileiro preferia copiar os europeus ou norte-americanos, ao invés de desenvolver uma teoria nossa, que pensasse nossos problemas. Esses são brasileiros que pensaram o Brasil”, justifica Paulo Ribeiro. Os realizadores da série ambicionam ainda a distribuição do mesmo material por toda a América Latina, bem como nova levas de produções, totalizando 20 personalidades estudadas. Entre elas, nomes de peso como Sérgio Buarque de Holanda, Raimundo Faoro, Milton Santos e Gilberto Freyre. Paulo Ribeiro salientou que a sequência que envolve Beijódromo e Realidade Brasileira ficará completa com um terceiro projeto, a ser lançado no dia 25 de outubro, um dia antes do aniversário de 90 anos de Darcy Ribeiro. Trata-se da Biblioteca Básica Brasileira, outra criação da Fundar junto ao Ministério da Cultura. O projeto prevê a distribuição gratuita de 2,7 milhões de livros a todo o sistema de biblioteca pública brasileira e sociedade em geral. “O grande problema dos intelectuais brasileiros é que pouca gente conhece suas obras. Primeiramente, pela dificuldade de difusão e, depois, pela lógica do livro, que no Brasil é muito caro. É feito para uma elite muito pequena”, diz Ribeiro.Leia mais
Written on 18/10/2012, 17:43 by Isaac Roitman
As universidades públicas no Brasil têm sido de elite. Os egressos do ensino médio oriundos de famílias de baixa renda em sua maioria não tinham acesso à universidade estatal. Esses estudantes formados em escolas públicas de qualidade duvidosa geralmente não tinham meios de pagar os cursos preparatórios para o vestibular. Leia mais
Written on 18/10/2012, 17:38 by Débora Cronemberger - SECOM / UnB
conselho-comunitario-discute-expansao-e-democratizacao-da-universidadeUm balanço de gestão marcou a reunião dessa quarta-feira, 18, no Salão de Atos da Reitoria, do Conselho Comunitário da Universidade de Brasília. Leia mais
Written on 18/10/2012, 17:34 by Jairo Macedo - SECOM/UnB
livro-de-padre-jose-aleixo-inaugura-nova-serie-outorgas-de-titulosUm dos maiores pensadores da teologia no Brasil lançou nesta quinta-feira, 18, no Auditório da Reitoria da Universidade de Brasília, mais um livro para compor sua extensa obra. Leia mais
Written on 18/10/2012, 17:16 by Grace Perpetuo - SECOM/UnB
unb-participa-do-lancamento-do-observatorio-da-equidadeA Universidade de Brasília assinou nesta quarta-feira, 17, um acordo de cooperação para o lançamento do Observatório de Equidade – instância responsável por coletar dados, desenvolver pesquisas e sistematizar informações que sirvam de subsídios técnicos aos debates empreendidos pelo Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social do Distrito Federal (CDES-DF). Leia mais
Written on 18/10/2012, 17:11 by Luciana Barreto - Secom / UnB
Legado do filósofo português e fundador da UnB é debatido em encontro promovido pelo Instituto de Letras. Leia mais
Written on 17/10/2012, 17:59 by Dayene Peixoto - Secom / UnB
unb-concede-titulo-de-professora-emerita-a-lenora-gandolfiMédica trabalhou durante 33 anos na instituição e, mesmo após a aposentadoria continua compartilhando conhecimento na Universidade. Leia mais
Written on 17/10/2012, 17:54 by Jairo Macedo - SECOM/UnB
ouvidoria-da-unb-inaugura-curso-de-formacao-ineditoA Ouvidoria da Universidade de Brasília inaugurou nesta quarta-feira, 17, o curso de formação inédito A Prática dos Direitos Humanos na UnB. Leia mais
Written on 17/10/2012, 17:52 by Débora Cronemberger - SECOM / UnB
comissao-da-verdade-convoca-interessados-em-colaborar-com-trabalhosProfessores, técnicos e estudantes da Universidade de Brasília podem se tornar colaboradores da Comissão Anísio Teixeira de Memória e Verdade. Leia mais
Written on 15/10/2012, 18:16 by
De segunda-feira (15) a quarta-feira (17), encontro da Filosofia reúne docentes, alunos e artistas para quatro dias de mesas-redondas, conferências e oficinas que debatem a importância dos professores na formação individual Leia mais
Written on 15/10/2012, 18:13 by Dioclécio Campos Júnior
O dia do professor não é mera data destacada no calendário para simples eventos comemorativos. Vai muito além. Expressa o respeito pelo trabalho singular de alguém a quem cabe, anonimamente, missão transformadora no âmago da sociedade humana. Leia mais
Written on 11/10/2012, 19:18 by Grace Perpetuo, SECOM/UnB
Nesta segunda-feira, 15 de outubro, Dia do Professor, os mestres da Universidade de Brasília receberão uma homenagem intensa e multifacetada. Leia mais
Written on 11/10/2012, 19:17 by Dayene Peixoto, SECOM/UnB
O edital do Vestibular 2013 da Universidade de Brasília terá reserva de 12,5% das vagas para alunos de escolas públicas. Além disso, 20% das vagas continuarão reservadas para candidatos negros. Dessa forma, 32,5% das 2.092 vagas oferecidas serão destinados a algum tipo de cota. Leia mais
Written on 10/10/2012, 18:57 by
uma-vida-em-uma-tardeProfessor emérito da UnB Aldo Paviani compartilha sua história na capital federal Leia mais
Written on 09/10/2012, 19:22 by Cristiano Torres, SECOM/UnB
unb-assina-convenio-com-waterford-institute-of-technologyO reitor José Geraldo da Sousa Junior assinou nesta terça-feira, 9, um convênio de cooperação e intercâmbio acadêmico, científico e cultural entre a Fundação Universidade de Brasília (FUB) e o Waterford Institute of Technology (WIT), representado pelo oficial de Projetos Internacionais Don O’Neill. Leia mais
Written on 08/10/2012, 19:43 by Luiz Martins da Silva
Conta uma anedota que duas mulheres foram a um encontro, cada uma com intenção de matar a outra, mas, antes, cumprimentaram-se com beijinhos. Em um nível primário de avaliação da atitude pode-se dizer que eram pessoas comunicativas. Na realidade, atenderam apenas à função fática da comunicação, aquela que serve para “ajustar o canal”, quebrar o gelo, algo assim como comentar com um desconhecido no elevador que o dia está quente, apenas para atenuar o silêncio incômodo.Outro equívoco é cotar como extremamente comunicativas pessoas capazes de encantar plateias com discursos arrepiantes ou com performances de levar multidão a gargalhadas, pondo todos ao ponto das cãibras na barriga. Na verdade, oradores ou performers assim podem ser capazes de brilhar num dos patamares das ações interativas, que é o da “ação dramatúrgica”. O tal discurso pode ser oco de sentido e a teatralidade pode ser estritamente cômica. Com muita freqüência, o hilário é non-sense. Mágicos de circo também são capazes de arrancar suspiros e aplausos, mas têm de ser absolutamente intransparentes com relação aos truques que dominam. Ora, uma das características da verdadeira comunicação é que não haja trapaça entre os interlocutores.Há mais comunicação entre a professora de primeiras letras que transmite ao alunado o conhecimento de que o trema na língua portuguesa foi abolido do que entre uma torcida em êxtase, mas que vem a se decepcionar mais tarde, ao saber que o idolatrado campeão olímpico teve de devolver a medalha por ter sido desmascarado num exame de doping. É mais comunicativo um locutor gago, mas verdadeiro nas informações, do que um gogó de ouro a serviço de manipulações em favor deste ou daquele interesse, econômico ou político. Um dos maiores fenômenos da história do rádio foi Orson Welles, que, adaptando uma ficção científica de H. G. Wells – A guerra dos mundos –, levou os nova-iorquinos ao pânico, semeando a verossimilhança de que os marcianos estavam, naquele momento (1938), invadindo a Terra. Os atuais códigos de ética o teriam enquadrado em vários deslizes e possivelmente seria, hoje, processado por dano moral coletivo.Como articulista, não estarei sendo, de fato, comunicativo, se continuar escondendo do leitor aonde quero chegar e qual, afinal, é o meu ponto de vista sobre o que é ser um comunicador perfeito, atento às três competências básicas para tal: ética, técnica e estética. Sou professor de uma disciplina, Ética na Comunicação, mas tenho tido dificuldade em convencer as turmas do seguinte princípio: sem ética, não há comunicação, e sim, estratégia. Contra-argumento com exemplos, de uns tantos comerciais que, a despeito de serem tecnicamente bem produzidos são enganosos, abusivos, preconceituosos e ferem a mais elevada das estéticas, que é o decoro moral. Comerciais há que enaltecem um idiota bêbado e o mostram em situação de pleno êxito com mulheres esculturais e absolutamente fascinadas por ele, pelo simples fato de ser adepto de uma determinada marca.Comunicação, portanto, é sinônimo de entendimento, cooperação e consenso, obtidos de forma sincera e honesta. Comunicação é o mesmo que buscar o êxito sem detrimento dos outros. Etimologicamente, tornar comum e, portanto, descentrar do egocentro a orientação dos interesses. Centrá-los na segunda pessoa do plural, nós. Mas o nós cooperativo e não o nós corporativo. Já convivi com insinuações de que essa “comunicação perfeita” seria algo mais apropriado ao relacionamento dos anjos e não dos humanos. Das beatitudes angelicais não duvido, mas da capacidade humana de construir cooperadamente realidades dignas, também não.Leia mais
Written on 08/10/2012, 19:42 by Débora Cronemberger, SECOM/UnB
Até a próxima quarta-feira, 10 de outubro, o auditório Dois Candangos e o Sebinho Café vão sediar discussões sobre a atuação dos estudantes na construção histórica da Universidade de Brasília. O seminário “História e memória do movimento estudantil na UnB: pelo futuro da universidade”, iniciado nesta segunda-feira e promovido pela Associação dos Alunos de Pós-Graduação (APG), integra a programação dos 50 anos da UnB. Leia mais
Written on 08/10/2012, 19:28 by Diogo Lopes de Oliveira, SECOM/UnB
mec-diz-que-decreto-sobre-cotas-sai-nesta-quarta-feira Em reunião com 38 reitores de 59 instituições federais de ensino superior brasileiras, o secretário de Ensino Superior do Ministério da Educação (MEC), Amaro Lins, disse que o decreto que uniformiza as interpretações sobre a Lei de Cotas está na Casa Civil e deve ser publicado nesta quarta-feira, 10 de outubro. Leia mais
Written on 08/10/2012, 13:14 by leypedrosa
diversidade-no-baile-50-anos-emociona-participantesMúsica de época, carros antigos, exposição fotográfica, fotomontagem e parabéns à luz de vela movimentaram o Baile Cinquentenário da UnB, organizado pela Associação de Ex-Alunos. A festa contou com a presença do atual reitor José Geraldo e do professor Ivan Camargo, que assume a gestão ainda esse ano. Leia mais
Written on 07/10/2012, 18:17 by
Pauta prevista para 25ª Reunião da Comissão “UnB 50 Anos” a ser realizada na segunda, 8 de outubro de 2012, das 14h15 às 17h45, no Salão de Atos da Reitoria. Leia mais
Written on 07/10/2012, 13:56 by leypedrosa
festbrasilia-balanco-professoresProfessores da Faculdade de Comunicação que organizaram atividades na última edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro analisam papel da UnB nos espaços de concepção do evento. Leia mais
Written on 06/10/2012, 21:40 by
Seminário “Gestão da memória: diálogos sobre políticas de informação, documentação e comunicação para a Universidade de Brasília” recebe inscrições de resumos temáticos até 30 de setembro. Saiba mais. Leia mais
Written on 05/10/2012, 19:44 by Luciana Barreto, SECOM/UnB
pioneiros-revisitam-a-unb-no-ano-do-cinquentenario Reencontro vertido em emoção e encantamento. Mais de 50 anos depois de sua forçada partida - por ocasião do golpe militar em 1964 - do centro de excelência, ensino e saber que ajudou a fundar, o físico Roberto Salmeron, acompanhado por sua esposa Sonia, revisitou a Universidade de Brasília. A convite do reitor José Geraldo de Sousa Junior, tanto o casal Salmeron quanto o físico Alberto Santoro, outro destacado cientista e intelectual entre os pioneiros, fizeram de uma seca e ensolarada tarde no planalto central um especialíssimo e tocante retorno a uma história que ainda persiste como contundente memória de um tempo, um projeto, um ideal: o nascimento de uma Universidade vibrante, inovadora, exemplar, a UnB de Darcy Ribeiro e Anísio Teixeira. Participaram ainda do encontro Isaac Roitman, decano de Pesquisa e Graduação e professor pioneiro da UnB, bem como os professores José Otávio Nogueira Guimarães, do Departamento de História, e Geraldo Magela, Geraldo José e Tarcísio Marciano, do Instituto de Física. Emília Silberstein/UnB Agência   De modo reverente e cordial, o reitor, de início, recebeu os convidados em seu gabinete para expor algumas das iniciativas institucionais de retomada da história da Universidade, no marco celebratório de seus 50 anos, no qual se inclui o próprio relançamento do livro A universidade interrompida: Brasília 1964-1965, de Salmeron. Com uma gestão orientada segundo o pensamento político-filosófico originário da UnB - um modelo transformador e solidário -, José Geraldo contou ainda da homenagem de outra figura pioneira da Universidade: Glenio Bianchetti. O pintor entregará a 50 personalidades uma gravura de sua autoria alusiva ao jubileu.  Encantada com o gesto, Sonia aproveitou para relatar o quanto se comoveram com o problema dos artistas que "ficaram sem ter do que viver" após o desmonte da Universidade e a consequente saída de seus principais nomes. "O Departamento de Artes era muito vivo, vibrante", relembrou. O seu marido também recordou os concertos promovidos por Claudio Santoro, professor fundador do Departamento de Música e maestro da orquestra da Universidade: "Era uma beleza escutar a orquestra ali, aos sábados, nos gramados da universidade, algo aberto para toda a comunidade". Emília Silberstein/UnB Agência   MEMÓRIAS - Outro momento de comoção foi quando José Geraldo ofertou ao casal um livro a ser lançado em breve sobre o Memorial Darcy Ribeiro - "híbrido de oca com disco voador", conforme o reitor explicou o projeto arquitetônico de João Filgueiras Lima, mais conhecido como Lelé, concebido para abrigar o acervo e manter vivo o pensamento do antropólogo e fundador da Universidade de Brasília. Rever o antigo amigo Lelé, por meio de sua obra, emocionou tanto Roberto quanto Sonia, que evocaram outras memórias associadas a essa época, como o "Seminário Comum", que ocorria semanalmente no auditório Dois Candangos reunindo várias áreas de conhecimento. "A Universidade era extraordinária, totalmente voltada para o social, estimulava a comunidade e os jovens da região", disse Salmeron, acrescentando que "era constantemente procurado por pessoas humildes que vinham ao campus pedir conselhos diversos sobre seus destinos".  INVASÃO - Para Alberto Santoro, sua experiência na UnB "foi absolutamente essencial e transformadora, sem dúvida a época mais feliz da minha vida, pois foi um período rico, espetacular". Segundo avalia,  "a UnB incomodava o Brasil por ser criativa, inovadora, revolucionando a política e os conceitos catedráticos mais ortodoxos". Sobre a repressão militar deixou um forte testemunho: "Estava em aula, inclusive junto com o Raupp, hoje ministro de Ciência e Tecnologia, quando assistimos a algo terrível, a violenta invasão dos militares". "Sem exagero, a UnB virou cenário de guerra, homens com metralhadoras, pois na cabeça dos generais a Universidade estava armada até o talo", contou referindo-se à entrada de tropas no campus. O reitor aproveitou para expor aos presentes o documentário Barra 68, do cineasta e ex-professor da UnB, Vladimir Carvalho, que retrata o episódio e as perseguições à UnB iniciadas em 1964, além da Comissão da Verdade, instituída em agosto desse ano, "uma retomada histórica de um grave período vivenciado pela universidade, algo necessário para passar a limpo as violações e as situações ocorridas durante o regime ditatorial". Para sublinhar a importância política desse gesto, trouxe para o encontro José Otávio Nogueira Guimarães, professor de História e coordenador de investigação da comissão. Emília Silberstein/UnB Agência   DARCY - A deferência foi cedendo espaço para a descontração à medida que os visitantes se deixavam encantar pelo que conheciam ou revisitavam. No primeiro ponto do roteiro, o Memorial Darcy Ribeiro, "esse espaço meio nave meio maloca", como reiterou José Geraldo, os visitantes se mostraram maravilhados com o centro desenhado e construído em homenagem ao idealizador da UnB, apelidado por ele mesmo de "beijódromo" - já em 1962 - nome que chegou a causar um misto de estranhamento e graça. Conduzidos pelo reitor e pelo presidente da Fundação, Paulo Ribeiro, enquanto percorriam murais e corredores com amostras da trajetória do Darcy e de décadas de história Brasil, o percurso de Sonia, Roberto e Alberto resultou em um encontro com suas próprias memórias. Ao se deparar com o retrato juvenil da esposa do antropólogo, Sonia exclamou: "Gostava demais da Berta, uma grande amiga com quem eu conversava muito; lembro-me muito, como se fosse ontem, de o Darcy e ela ainda namorados em São Paulo". Um pouco adiante, na seção da "Biobliografia" do memorial, Roberto Salmeron se demorou um pouco mais ao procurar sua assinatura em meio às demais na carta-renúncia, datada de 1965 e entregue pelos coordenadores da Universidade, em ocasião ao golpe militar. O mesmo gesto foi partilhado por Alberto Santoro, que buscou antever a letra do irmão Cláudio Santoro na lista de signatários.  PASSEIO – Após uma hora e meia recompondo histórias e revolvendo reminiscências sobre a primeira UnB, a acurada escuta e o olhar de fascínio e encantamento foram estendidos para um passeio panorâmico pelo campus Darcy Ribeiro. Em um breve tour, José Geraldo foi apontando – um a um – os novos e antigos edifícios e institutos, os jardins recompostos segundo o paisagismo original, o Instituto Central de Ciências - espinha dorsal do projeto arquitetônico da UnB -, além de contar um pouco mais da história recente da Universidade e de alguns feitos e propósitos de alguns programas e cursos. Pois do que foi considerado um desatino por muitos de seus pares, no início da década de 60, quanto aceitaram o desafio de partir da Suíça para "o deserto de Brasília", restou para o casal Salmeron a certeza "da mais maravilhosa e acertada loucura". "Sem dúvida, foram os anos mais felizes e extraordinários de nossas vidas", reiteraram, quase em uníssono, Roberto e Sonia no retorno à Casa, a qual afirmam pertencer seus destinos e corações. Leia mais
Written on 03/10/2012, 19:46 by Cristiano Torres, SECOM/UnB
O seminário Conexões entre Campo e Cidade: universidade, reforma agrária e projeto popular para o País acontece nesta quarta-feira, 3, e quinta-feira, 4, no Auditório do campus da Faculdade de Planaltina (FUP) da Universidade de Brasília. O evento conta com a participação de professores, estudantes e organizações populares – como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) – em debates sobre os atuais desafios enfrentados pelos movimentos sociais, depois das mudanças políticas e culturais que atingiram o país nos últimos anos. Saiba mais sobre a programação aqui. Os debates pretendem aproximar a universidade da sociedade civil e elaborar, a partir do diálogo e da troca de experiências, estratégias comuns que permitam a construção de um projeto popular para o Brasil. “Nossa intenção é ultrapassar os limites tradicionais da academia e fortalecer a participação popular - além de restaurar a relação entre cidade e campo e valorizar a experiência de Educação do Campo, que existe há 15 anos na UnB”, afirma o professor e coordenador de Comunicação da FUP, Rafael Villas Bôas. Segundo o coordenador, há também a necessidade de superar preconceitos condicionados por noções dicotômicas - como a que estabelece e cristaliza as relações entre centro e periferia - que enfraquecem e minimizam a participação de organizações populares em debates acadêmicos. O encontro faz parte das atividades realizadas pela FUP desde 2009 e, de acordo com Villa Boâs, propõe retomar as reflexões sobre o projeto nacional brasileiro interrompido pela ditadura militar (1964-1985) e recuperar o papel original da UnB - de universidade livre, crítica e autônoma, que permita a integração das várias áreas do conhecimento e exerça sua responsabilidade social. Esta é a segunda edição do seminário Conexões entre Campo e Cidade. A primeira edição aconteceu em abril deste ano e discutiu – além de reforma agrária e meio ambiente – temas como etnia e raça, gênero e classe. O evento contou com a participação de pesquisadores, de professores da UnB e de outras universidades, além de pessoas da comunidade de Planaltina. Leia mais
Written on 03/10/2012, 19:45 by Luciana Barreto, SECOM/UnB
unb-e-mcti-homenageiam-salmeronNão se conhece completamente uma ciência enquanto não se souber da sua história. A Leia mais
Written on 02/10/2012, 22:04 by
baile-unb50anosBaile Cinquentenário da UnB será realizado neste sábado, 6, a partir de 22h, na Associação Atlética Banco do Brasil (AABB). Leia mais
Written on 02/10/2012, 19:50 by Jairo Macedo, Secom/UnB
O Programa de Pós-Graduação em Política Social, do Departamento de Serviço Social da Universidade de Brasília, promove mais uma edição do Seminário Internacional de Política Social. Evento trienal, o seminário, que vinha mantendo uma média de 300 participantes nos encontros anteriores, alcança, agora em sua quinta edição, um número de 450 pessoas e uma demanda por apresentação de trabalhos que chegou a 160 candidatos. Em pauta, o tema Desafios da Política Social na Contemporaneidade, com foco nas condições engendradas pela sociabilidade capitalista e as tensões no campo da cidadania e direitos sociais. Em três dias, docentes de quatro países  - Brasil, Argentina, Inglaterra e México - comandam mesas redondas e minicursos. Além disso, 83 pesquisadores de todo o Brasil apresentam seus artigos em 10 grupos de trabalho. O encontro prossegue até o dia 4 de outubro no audiório da Finatec, no campus Darcy Ribeiro. Clique aqui e confira a programação completa. “Essa edição vai enfatizar as contradições capitalistas contemporâneas, um neoliberalismo que nesse momento de crise estrutural atinge frontalmente a proteção social e o reconhecimento dos direitos”, afirma o professor Evilásio Salvador, coordenador do Programa de Pós-Graduação em Política Social. Para ele, as discussões nos próximos dias devem manter íntima relação com as quatro linhas de pesquisa de Mestrado e Doutorado – Política Social, Estado e Sociedade; Movimentos Sociais e Cidadania; Questão Social, Instituições e Serviços Sociais; Trabalho e Relações Sociais. “A partir disso, considero três eixos essenciais de discussão: recuperação dos movimentos de trabalhadores pelo mundo inteiro, a situação do desemprego no Brasil e, ao fim, a ênfase na questão social como uma relação de classes, entre capital e trabalho, a partir de uma situação de agravamento da precariedade na política do trabalho”. A professora Daniela Neves de Sousa concorda com Evilásio, centralizando na América Latina a discussão. “Com tantos docentes importantes em um evento como esse, é preciso dialogar amplamente sobre a política econômica desses países, observar o papel do Estado latino-americano nas políticas de apoio social. Os doutorados e mestrados da UnB, bem como os convidados, mantêm uma crítica contínua quanto ao papel do estado na economia”. Evilásio vai além e busca maior radicalidade: “É necessário que a sociedade questione o privilégio a áreas econômicas em detrimento da defesa do campo social. A disputa de orçamento e fundos públicos para pagamento de juros à custa de recursos que deveriam ser destinados, a meu ver, à saúde, educação, previdência e outros temas mais urgentes”. Para ele, a lógica da América Latina pede roupagens mais modernas, novos nomes para velhas políticas de privatização e desresponsabilização do Estado sobre suas obrigações sociais. TEORIA E PRÁTICA - Por parte do Instituto de Ciências Humanas na abertura do evento, o professor Perci Coelho de Souza ressaltou o resgate do pensamento marxista proposto ao longo de todas as edições do seminário, "algo essencial para os meandros da política, economia e sociologia que o evento propõe". Para ele, "é dever do intelectual tensionar a ordem vigente. O seminário sempre se propôs à criticidade. Essa palavra, quando associada à teoria social de Karl Marx, vem assumindo presença quase residual nas universidades brasileiras, infelizmente. Há um certo mal-estar quando se cita Marx, e eu acho que esse encontro tem resgatado a importância do diálogo com o rigor de sua teoria”. Também presente na cerimônia, o reitor José Geraldo Sousa Júnior observou que a direção do Departamento de Serviço Social vem discutindo a teoria sem esquecer a prática. "Nesse momento derradeiro de gestão, sinto que a UnB permanece atenta, como o lugar de avaliação crítica que tem que ser. Vejo na instituição o que chamo de intelectual orgânico, o que é raro. O sonho mais comum do intelectual atual é acumular citações, reduzir a ciência a um espetáculo discursivo. Não podemos perder de vista que o ponto da realização plena da condição universitária é trabalhar pela cidadania". José Geraldo endossa ainda a necessidade de rever o marxismo, mas observa que os discursos dicotômicos, que antes abrigavam conceitos rígidos como esquerda e direita, perdeu validade frente a uma profusão de discursos semelhantes. “Antigamente, a gente sabia melhor o que era oposição e situação, e distinguia bem termos como democracia, direito e privilégio. Hoje não é mais tão fácil esse dualismo. Uma vez que todos falam em democracia, por exemplo, o que é de fato democracia? Esse é o escopo desse seminário.” CONTINUIDADE – O reitor ressaltou ainda que o seminário, pela sua longa vida, constitui-se como elemento estruturante e indissociável do próprio programa de pós-graduação. A partir das discussões postas em debate, quatro livros foram escritos como produto final para cada seminário. Além disso, o programa mantém uma revista científica de circulação nacional. “Isso mostra o saldo da continuidade. Quando há atualização constante, há a confiança epistemológica de que a percepção do novo prossegue”. Perci Coelho abordou a gratuidade do evento, ponto que relaciona diretamente com a gestão de José Geraldo. “Parece uma coisa pequena, a princípio, mas digo que são poucos os eventos com essa qualidade internacional que são gratuitos nas universidades públicas brasileiras. Essa Universidade vinha mercantilizando-se em gestões anteriores e o professor José Geraldo interrompeu parte desse processo”. Perci elogiou ainda a atuação do reitor no Conselho Universitário (Consuni), "em que ficará marcada a magnífica condução do Consuni em defesa da qualidade da Universidade de Brasília". José Geraldo respondeu ao elogio ressaltando a pluralidade de vozes: "uma das dimensões mais marcantes do mandato foi poder recuperar o espaço público, representado pelos colegiados deliberativos, notadamente o Consuni, e vitalizá-lo naquilo que é a sua dimensão mais participativa possível. Pautas densas - como credenciamento de fundações, criação de políticas públicas para gestão de hospitais, criação de decanatos e várias outras - mostraram a força do Consuni como verdadeira esfera pública”. SEMINÁRIO PROSSEGUE – O V Seminário Internacional de Política Social prossegue até 4 de outubro no Auditório da Finatec, no campus Darcy Ribeiro. Clique aqui e confira a programação completa. Leia mais
Written on 02/10/2012, 19:48 by Diogo Lopes de Oliveira, SECOM/UnB
aryon-rodrigues-recebe-maior-honraria-academica-da-unb“O senhor define com clareza e precisão o significado do amigo, do sábio, do cientista, do ser humano mais gentil.” Assim Ana Suelly Cabral, professora do Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas (LIP) da Universidade de Brasília - oradora da homenagem - encerrou seu depoimento sobre Aryon Dall'Igna Rodrigues durante a cerimônia que concedeu ao professor o título de doutor honoris causa da UnB. Autor de diversos livros que relacionam linguística e etnografia, Aryon é reconhecido como um dos pioneiros da pesquisa científica no Brasil. A cerimônia foi realizada nesta terça-feira, 2, no auditório da Reitoria. Durante seu breve discurso, o professor defendeu a reestruturação do Instituto de Letras (IL), para que separe as línguas clássicas, a Língua Portuguesa e as línguas indígenas - e pediu maior diálogo entre linguistas e antropólogos, sociólogos e etnografistas. “Quando vim a convite de Darcy Ribeiro, comecei a trabalhar privilegiando a relação íntima que existe entre a Linguística e a Antropologia. Isso, infelizmente, foi perdido ao longo do tempo”, desabafou.Segundo o estudioso, há hoje cerca de 200 línguas no Brasil, além do português. “O Brasil é um país multilíngue e uma das maiores diversidades linguísticas do mundo. Já foram faladas aqui mais de mil. Ainda assim, precisamos preservar as que ainda são praticadas, porque elas representam um acervo cultural considerável”, disse. Emília Silberstein/UnB Agência   Em seu discurso, o reitor José Geraldo de Sousa Junior encontrou pontos comuns entre o homenageado e o professor Rumen Borislavov Stoyanov, que também recebeu o título de honoris causa na semana passada. Confira aqui a matéria sobre o professor Stoyanov. “Ambos são tradutores de culturas; eles realizam o trabalho fundamental de mediar aquele que talvez seja o traço mais evidente de uma cultura, que é língua”, disse o reitor. "O senhor honra e traz honra para a UnB”, complementou, ao finalizar sua fala.O estudante Wary Kamaiurá é doutorando em Linguística na UnB. Como indígena, ele ressalta o trabalho do professor Aryon como fundamental para a valorização das culturas indígenas. “O estudo dele é voltado para os povos indígenas. Por meio dos seus estudos, foi capaz de conscientizar esses povos sobre a importância de sua própria cultura”, argumentou. “Graças a ele, agora, podemos lutar pela preservação de nossas línguas e costumes, porque entendemos o quão importante isso é para a cultura brasileira.” BIOGRAFIA – Graduado em Letras Clássicas pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) em 1950, e doutor em Línguística pela Universidade de Hamburgo, na Alemanha, em 1959, é hoje professor associado sênior da UnB e o mais antigo docente em atividade na Universidade. Ao lado de Nilton Rossi e Eudoro de Souza, participou ativamente da implantação do projeto - idealizado por Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro - que resultou na fundação da UnB. Além disso, Aryon foi o primeiro decano de Pesquisa e Pós-Graduação da UnB.Leia mais
Written on 01/10/2012, 22:04 by admin
Grupo de pesquisa Modos de Produção e Antagonismos Sociais (MPAS) realiza em Planaltina -DF a segunda edição do Seminário “Conexões entre Campo e Cidade: universidade, reforma agrária e projeto popular para o país”. Confira a programação completa. Evento acontece entre os dias 3 e 4 de outubro. Leia mais
Written on 01/10/2012, 21:20 by
salmeron-cnpqSolenidade lançará duas obras de autoria do professor doutor Roberto Salmeron: "Homens que nos ensinaram a concepção de mundo" e o livro "A Universidade interrompida: Brasília 1964/1965", publicados pela Editora UnB. Evento será na quarta-feira (3), às 10h, na nova sede do CNPq. Leia mais
Written on 01/10/2012, 19:51 by Cristiano Torres, SECOM/UnB
festa-comemora-os-50-anos-da-universidadeA comunidade universitária terá mais uma oportunidade para festejar o jubileu da Universidade de Brasília no próximo sábado, 6, com o Baile Cinquentenário da UnB - que será realizado a partir das 22h, no Clube da Associação Atlética Banco do Brasil (AABB). O evento contará ainda com uma mostra fotográfica, além de registros de 50 anos de história da UnB e uma exposição de carros antigos. Leia mais
Written on 01/10/2012, 19:50 by Cristiano Torres, SECOM/UnB
O historiador inglês Eric Hobsbawm – que morreu na madrugada desta segunda-feira, 1º, em Londres, aos 95 anos – foi um dos mais importantes intérpretes da contemporaneidade. Assim se referiram a ele alguns professores da Universidade de Brasília que, ao longo do dia, ressaltaram a incomum capacidade de Hobsbawm para aliar clareza à sua enorme erudição e ao necessário rigor exigido pelo pensamento científico.     Para o professor Estevão de Rezende Martins, por exemplo, o historiador inglês possuía um conhecimento "monumental" e uma capacidade rara de "analisar a história do mundo a partir de grandes sínteses conceituais". Para o professor "O mais importante, porém, é que Hobsbawm dirigia sua atenção sempre para os marginalizados, para os anônimos da história, que a ciência tradicional durante muito tempo esqueceu”, comentou. Martins teve o raro privilégio de desfrutar da companhia de Hobsbawm durante um breve encontro com o historiador em 2000, durante o Congresso Mundial de História realizado em Oslo, na Noruega. “Foi uma conversa agradável e descontraída com esse grande autor, regado a uma boa cerveja e em pleno verão norueguês”, contou. Já o professor Marcos Magalhães de Aguiar, do Centro de Memória Digital da UnB, considera que a vinculação ideológica jamais comprometeu o trabalho do historiador inglês e que, justamente sua base teórica marxista permitiu que reconhecesse a importância de temas como a história dos trabalhadores, dos processos revolucionários e de outros aspectos marginalizados pela universidade até meados do século passado. “Ele não era um dogmático, um militante partidário: foi um intelectual que uniu a teoria de base marxista à sua rara capacidade de sintetizar grandes panoramas da história em conceitos complexos, mas que sabia explicar, sem rebuscamentos, até para os leigos”, ressaltou.  Marcos Magalhães de Aguiar lembrou também a grande influência dele no pensamento acadêmico brasileiro. “Talvez pelo momento que a obra começou a ser conhecida; na mesma época em que se consolidou a influência do marxismo no pensamento histórico brasileiro. Além disso, ele foi um grande entusiasta da nossa experiência política recente e estava otimista com os resultados dos governos Lula e Dilma”, conta o professor. Muito produtivo e com uma erudição que ultrapassava os limites das linhas de pesquisa universitárias, Eric Hobsbawm se mostrou um grande interessado na história da arte do século XX, principalmente do Jazz e da música de matriz africana dos Estados Unidos da América. “Hobsbawm ultrapassou os limites restritos do que normalmente estamos acostumados a chamar de história. Ele compreendeu a importância capital da cultura no desenvolvimento social e político. Para Hobsbawm, o Jazz e a música dos negros foi mais uma maneira de compreender melhor o desenvolvimento do século XX”, explicou o professor Antônio José Barbosa, que concluiu: “Foi um historiador que nos ensinou a não julgar os fatos, mas, antes de tudo, a compreender os acontecimentos históricos”. VIDA – Autor de obras como A Era das Revoluções, A Era do Capital, A Era dos Impérios e A Era dos Extremos – este último traduzido para mais de 40 línguas –, Hobsbawm nasceu em uma família judia, em 1917, cresceu em Viena e em Berlim e mudou-se para Londres em 1933, ano em que o nazista Adolf Hitler chegou ao poder na Alemanha. E foi sua experiência como estudante na Alemanha que consolidou seu pensamento progressista. Ele também se debruçou sobre a história da música, como no livro A História Social do Jazz. Leia mais
Written on 01/10/2012, 12:30 by admin
Integrante da Comissão UnB 50 Anos, Coutinho ingressou na UnB em 1968 e fez parte do grupo de reconstrução da universidade "após a diáspora de 1965", conforme palavras da parecerista da indicação, profª Nair Bicalho. Acesse a íntegra do parecer. Leia mais
Written on 28/09/2012, 19:53 by Cristiano Torres, SECOM/UnB
um-mediador-entre-duas-linguas-e-dois-povosNa filosofia e na literatura, a hermenêutica é considerada a arte da interpretação e da tradução, cujo nome guarda a lembrança do deus grego Hermes, o mensageiro dos deuses, aquele que dá origem à linguagem e à escrita e atua em favor do entendimento humano. Pessoa dedicada ao mundo das palavras – seja como professor, autor ou diplomata – o búlgaro Rumen Borislavov Stoyanov fez desse exercício o ofício principal de sua vida: a mediação, por meio da literatura, entre a Bulgária e o Brasil.    E foi por sua contundente atuação no pensamento literário, como ponte cultural entre a América Latina e a Europa, que ele recebeu, nessa quinta-feira, 27, o título de doutor honoris causa, pela Universidade de Brasília. A homenagem ocorreu no Auditório da Reitoria da UnB, em cerimônia que contou com a participação do reitor José Geraldo de Sousa Junior, do vice-diretor do Instituto de Letras (IL) Enrique Huelva Unternbäumen, da chefe do Departamento de Teoria Literária e Literaturas, professora Maria Isabel Edon Pires (TEL) e de Tchavar Nikolov, embaixador da Bulgária no Brasil.  Logo no início, o professor Henryk Siewierski, ex-diretor do IL e autor do pedido, não se furtou a contar uma pequena anedota: “Certo dia, no ano em que o professor Rumen exercia a função de adido cultural na Embaixada da Bulgária e dava aulas na UnB como professor voluntário, encontrei-o andando entre a Embaixada e a UnB. De carro eu estava e, ao oferecer uma carona, ele agradeceu com a seguinte resposta: prefiro curtir, ao invés de encurtar o caminho”.  Mariana Costa/UnB Agência Rumen Stoyanov recebe o título de doutor honoris causa das mãos do reitor José Geraldo Mas foi mesmo para encurtar os caminhos e, mais ainda, para estreitar os diálogos entre os povos de dois continentes, que o professor Rumen atuou durante toda a sua vida. Por 18 anos esteve na América Latina – sendo dez deles no Brasil – e, nesse período, estudou espanhol e português e traduziu obras de inúmeros autores, como Gabriel Garcia Marquez, Jorge Luis Borges, Pablo Neruda e Octavio Paz. Desde 1969, quando transpôs para o búlgaro o romance Vidas secas, de Graciliano Ramos, tornou-se um importante divulgador da língua portuguesa, da literatura e da cultura brasileiras em seu País. Para lá, levou obras de Machado de Assis, João Guimarães Rosa, Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, Murilo Mendes, Vinícius de Moraes e de portugueses, como Fernando Pessoa e Fernando Namora. Além disso, publicou antologias poéticas de autores brasileiros, algumas em parceria com o poeta Anderson Braga Horta, também presente na cerimônia. “Além disso, como professor de Literatura e Civilização Brasileira na Universidade de Sofia, ele contribuiu ainda mais para a divulgação de nosso país dando aulas, pesquisando ou publicando nossos autores”, relatou Henryk Siewierski. O professor também destacou que a função de adido cultural, entre os anos de 1992 e 1995 e de 2001 até 2004, permitiu que Stoyanov pesquisasse a presença búlgara no Brasil. “Ele realizou diversos projetos de aproximação e ensino da literatura e da cultura búlgara entre nós, inclusive com as disciplinas Presença literária do Brasil na Bulgária e Língua e Cultura Búlgara, ministradas na UnB”, explicou. Cronista das relações culturais, o professor honoris causa se tornou também um historiador das relações entre os dois países, buscando não só na literatura mais também em fatos cotidianos e, por vezes, aparentemente prosaicos, a prova das aproximações entre os dois povos. Ele descobriu, por exemplo, que o poema de Carlos Drummond de Andrade "Anedota Búlgara" é o primeiro cuja temática remete à sua terra natal nas literaturas de língua portuguesa e espanhola: “Era uma vez um czar naturalista / Que caçava homens. / Quando lhe disseram que também se caçam borboletas e andorinhas / Ficou muito espantado / E achou uma barbaridade.”, leu. Na interpretação, além de seu valor poético, conta Siewierski, o crítico analisa o contexto histórico e cultural e interpreta a Bulgária a partir da encruzilhada em que se encontra entre o Ocidente e o Oriente. Outro caso curioso, relatado por Borislavov Stoyanov, é o episódio de um livro publicado há cinco anos, relativo à visita de uma grande poeta búlgara, Elissaveta Bagriana: “Em 1960, ela veio ao Rio, como participante do PEN-Club, depois ficou hospedada algum tempo em Belo Horizonte, na casa de um búlgaro, o pai de Dilma Rousseff, a futura ministra de Estado do governo Lula. Assim, nasceram nove poemas, por ela nomeados como O ciclo brasileiro de Bagriana”, relata. Para Henryk Siewierski, o fascínio e a obsessão do professor búlgaro por tudo que representa a superação da distância, no tempo e no espaço, entre culturas diferentes, “essa filosofia do encontro e da hermenêutica em ação, bem sintonizam com sua própria contribuição para a aproximação das culturas, contribuição muito concreta e monumental: a sua obra de tradutor”.    E para fazer justiça à sua veia de cronista e historiador, Borislavov Stoyanov aproveitou seu discurso para retratar o percurso dos encontros entre o Brasil e a Bulgária, contando histórias como a publicação de um conto de Aleko Konstantinov, um clássico do país, na revista Careta, do Rio de Janeiro, em 1915, e ainda a presença dos pintores búlgaros Nikolai e Ivan Abrachev no Brasil, entre 1923 e 1927. Em sua fala, o professor búlgaro também percorreu os fatos que marcam a presença brasileira na Bulgária, desde a publicação da novela Imigração ao Brasil em 1859, um texto anônimo em 18 folhetins do Tsarigradski vestink , o Jornal de Constantinopla; até a presença, hoje, de três professores búlgaros na UnB.      DRUMMOND – Um dos fatos marcantes da vida do novo doutor honoris causa da UnB é a relação constante que teve com o poeta itabirano, por correspondência, e que décadas depois se transformou no livro Drummond e a Bulgária (Editora UnB, 2007). No volume, o professor apresenta 37 cartas inéditas do poeta mineiro, em que autor e tradutor discutem os caminhos das duas línguas e problemas literárias dos mais variados temas. "É um documento de informação histórica, linguística e cultural, quando dois importantes pensadores da literatura se comunicaram de forma interessantíssima", afirma Siewierski. No texto, Stoyanov também discute sua própria produção poética com o escritor mineiro.  Ao todo, Rumen Borislavov Stoyanov publicou 17 livros autorais, entre crítica literária e poesia, dois deles lançados no México e dois no Brasil. Além de Drummond e a Bulgária, é autor do livro Poemas no Brasil (1981), pela editora Civilização Brasileira. Da tradução do búlgaro para o português, destaca-se uma seleção de poemas de Liubomir Lievtchev intitulada Observatório. Em agradecimento ao título recebido, o professor fez questão de lembrar sua íntima relação com a UnB, ressaltando que seus dois filhos foram estudantes da Universidade, nos cursos de Música e de Arquitetura e Urbanismo. E concluiu sua fala, lembrando o quanto lhe é grato o fato de "a presente outorga de título coincidir com quatro aniversários: 110 anos de nascimento de Drummond, 110 anos do primeiro livro búlgaro sobre o Brasil, 50 anos da UnB e 20 anos de filologia portuguesa na Bulgária”. Mariana Costa/UnB Agência Soyanov doou nove livros para a UnB Em homenagem ao agraciado, o reitor José Geraldo de Souza Junior fez questão de ressaltar que a lista de escolhidos para o título envolve poucos e importantes nomes das Artes, Ciências e Humanidades em todo o Ocidente: “Figuras eminentes que estão ao lado do senhor, como os portugueses José Saramago e Boaventura de Souza Santos, este último a ser contemplado com essa honraria em breve. A homenagem ao senhor é mais do que merecida, justamente porque é homem que exerceu, com todo o comprometimento e dedicação, o ofício de mediador do intercâmbio entre os povos e de promotor da união e do diálogo”, finalizou.      Leia mais
Written on 28/09/2012, 19:52 by Cristiano Torres, SECOM/UnB
A 397ª Reunião Ordinária do Conselho Universitário, que aconteceu na tarde desta sexta-feira, 28 de setembro, no auditório da Reitoria, aprovou a outorga de oito títulos de Professor Emérito. Receberão a homenagem Carlos Eduardo Tosta, José Carlos Coutinho, Roberto Armando de Aguiar, Cristovam Buarque, Milton Ribeiro, Antônio Raimundo Teixeira, Potyara Amazoneida Pereira Pereira e Flávio Rabelo Versiani. Os conselheiros também aprovaram a concessão do título de Mérito Universitário para o servidor Teodoro Freire, o Mestre Teodoro do Bumba-Meu-Boi. Além disso, votaram a aprovação do Projeto Político-pedagógico do curso de bacharelado em Gestão Ambiental, da Faculdade de Planaltina (FUP). Leia mais
Written on 27/09/2012, 19:55 by Faculdade de Comunicação/UnB
A Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília (UnB) organiza, na próxima segunda-feira, dia 1º de outubro, às 14h30, no auditório da FAC, a mesa-redonda “Comunicação Pública e Governamental em Debate”. O objetivo é discutir como a comunicação é tratada pelo poder público e as possibilidades de melhorá-la. O evento é uma iniciativa dos alunos da primeira turma do curso de Comunicação Organizacional, da Faculdade de Comunicação, e dos professores Asdrúbal Borges e Janara Sousa. Leia mais
Written on 27/09/2012, 19:54 by Cristiano Torres, SECOM/UnB
Uma proposta dos estudantes da Universidade de Brasília Lucas Bispo de Oliveira Alves, de 20 anos, e Murilo Medeiros, de 21 anos, virou projeto de lei e está tramitando no Congresso Nacional. A proposição foi apresentada pelos alunos durante as atividades do projeto Politeia, da Universidade de Brasília, que simula o processo legislativo com alunos de graduação e pós-graduação da UnB e de outras instituições do Brasil. Reconhecida pelo senador José Agripino Maia (DEM/RN), em função de sua relevância, a proposta está em discussão na Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado Federal, como o Projeto de Lei (PL) 321/2012. Escrito e relatado pela dupla de estudantes, a proposição trata de isenção de impostos para as start-ups – empresas iniciantes nas áreas de tecnologia e inovação. O PL concede isenção de impostos, nas esferas municipal, estadual e federal, para empresas iniciantes, com receita bruta de R$ 30 mil por trimestre e, no máximo, quatro funcionários. Em caso de aprovação, as start-ups não pagarão os tributos relativos ao Sistema Integrado de Imposto e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte, o Simples Nacional. O benefício será concedido por dois anos, renováveis por mais dois. “É uma forma de reduzir as dificuldades para o pequeno empreendedor. E o melhor da proposta é que não existe renúncia fiscal, pois normalmente as empresas não estão regularizadas”, informa Lucas. A maior parte das start-ups são empresas de tecnologia e inovação, como Facebook, Google e Instagram, que começaram assim e fazem parte de um mercado que no Brasil envolve 73 mil empresas e R$ 76 bilhões. Não é à toa que o diretor de Políticas Públicas e Relações Governamentais da Google Brasil, professor Marcel Leonardi, fez questão de expressar o apoio da empresa ao Projeto de Lei.    O senador José Agripino Maia diz que são muito importantes as iniciativas que surgem da sociedade, principalmente quando são propostas por jovens estudantes. “Além disso, o PL permite investir em jovens realizadores, cheios de boas ideias e propostas”, esclarece o parlamentar, que admite ser a favor da aproximação com as universidades. “Tem sempre uma boa ideia surgindo nos corredores e salas de aula. Essas ideias têm que aparecer mais”, ressalta. POLITEIA – Esta é a primeira vez que uma simulação do Projeto Politeia, realizado desde 2003, se consolida no parlamento. Durante as atividades de 2012 – preparadas por 12 meses e neste ano concluídas em julho, no Congresso Nacional – mais de 100 propostas foram apresentadas pelos estudantes. No Politeia, os participantes atuam na Câmara dos Deputados como se fossem parlamentares: participam de comissões temáticas, apreciam projetos de lei de interesse da sociedade e os colocam em regime de votação, com os estudantes distribuídos entre as oito maiores agremiações políticas com representação no Congresso.   Essa foi a primeira vez que o estudante Lucas Bispo de Oliveira, do curso de Economia, participou. Ele diz que se inscreveu para conhecer melhor o funcionamento legislativo, mas pensa agora em seguir carreira na política. “Sempre me interessei, mas depois de passar pela experiência, fiquei muito impressionado”, relata. Tanto Lucas, quanto seu colega Murilo Medeiros – que relatou o projeto na simulação e levou a proposta ao gabinete do senador José Agripino Maia – confirmaram que a experiência mudou completamente a visão sobre a política no Brasil. “Estamos sempre acostumados a reclamar de tudo e culpar os políticos, mas para nós ficou claro que a prática política é fundamental e que, bem realizada, a atividade parlamentar traz benefícios para a sociedade”, justifica Murilo, que é estudante de Ciência Política.   Coordenado pelo Prof. Lucio Rennó, do Instituto de Ciências Políticas, o Politeia foi idealizado como projeto de ensino, pesquisa e formação política para oferecer aos estudantes de graduação o conhecimento e a vivência das atividades políticas do País e aprimorar a relação entre Estado e sociedade civil. “É uma maneira de proporcionar experiências práticas do processo político brasileiro, usando uma metodologia diferente e inovadora. Nesse caso, nós professores auxiliamos e damos aos estudantes o suporte teórico, mas são eles que escrevem e apresentam as propostas. É uma iniciativa que busca o exercício da cidadania", explica.Leia mais
Written on 27/09/2012, 11:18 by
luis-humbertoRelato do professor emérito integra série de memórias de fundadores da UnB colhidas pela Comissão dos 50 Anos Leia mais
Written on 26/09/2012, 19:55 by Cristiano Torres, SECOM/UnB
dois-dias-dedicados-as-pessoas-com-necessidades-especiaisEntre 1987 e 1999, a Universidade de Brasília tinha apenas 12 estudantes com necessidades especiais. Atualmente são 96 pessoas, sendo que, no período, passaram pela Universidade um total de 260 alunos atendidos pelo Programa de Apoio às Pessoas com Necessidades Especiais (PPNE). Leia mais
Written on 26/09/2012, 19:08 by
talentos-da-unb-sao-premiados-em-festival-de-cinemaProfissionais vinculados à Universidade são destaque ao fim da mostra. Prêmio ajuda a viabilizar projetos futuros, segundo o diretor Mário Salimon Leia mais
Written on 24/09/2012, 17:26 by
Pauta da 24ª Reunião da Comissão “UnB 50 Anos” a ser realizada na terça, 25 de setembro de 2012, das 14h15 às 17h45, no Salão de Atos da Reitoria. Leia mais
Written on 24/09/2012, 13:13 by
O jornalista e professor aposentado da UnB, Venício Lima, escreveu artigo sobre Fernando Correia Dias, ex-professor da UFMG e da UnB e pesquisador pioneiro da sociologia da cultura que faleceu aos 86 anos, em Minas Gerais, no último dia 8 de setembro. O texto foi publicad no site Observatório da Imprensa e é reproduzido no portal "UnB 50 Anos". Leia mais
Written on 21/09/2012, 19:59 by Cristiano Torres, SECOM/UnB
“Uma mulher de fibra, que sempre defendeu seus ideais e os do filho, mesmo sabendo dos riscos que ambos corriam. E também uma pessoa que nunca se entregou à tristeza, mesmo depois de tudo que sofreu e enfrentou na vida”. É assim que Betty Almeida, ex-estudante de Química da UnB e integrante do Comitê da Verdade do DF lembra de sua amiga, Maria Rosa Leite Monteiro. Mãe de Honestino Guimarães, líder estudantil desaparecido durante a ditadura militar e uma das principais ativistas contra a perseguição política no Brasil, aos 84 anos finalmente descansou. Leia mais aqui. E se calou sem que os olhos já fracos pudessem ver esclarecido o paradeiro do filho – e o paradeiro de tantos outros filhos - durante o regime de exceção que atingiu o país entre os anos 1960 e 1980. Exatamente no ano marcado pela criação de várias instâncias de investigação, quase 30 após o fim da ditadura. “Era uma família muito unida”, revela Betty Almeida. O sentimento de união era tão forte “e tinha um sentido tão espiritualizado”, que certa vez, “quando ele já se encontrava na clandestinidade”, dona Maria Rosa comprou três camisas iguais para que os filhos, separados pela ditadura, vestissem num mesmo domingo. “E lembrassem sempre que estavam todos juntos”, diz emocionada. Autora de uma obra ainda inédita sobre a vida de seu amigo de tantas batalhas, Betty conta que decidiu escrever Paixão de Honestino para mostrar a importância do movimento estudantil em Brasília, ainda pouco conhecido, mas principalmente pela grande amizade que dedicava à família – além do respeito e admiração por tudo que dona Maria Rosa representava e enfrentou nesses anos.  Betty ressalta que Honestino poderia ter fugido, mas que seus ideais e sua força moral não permitiam. Para ela, o amigo se imbuía de uma responsabilidade moral, alimentada por um sentimento de solidariedade e pelo desejo de ver, plena, a liberdade surgir no país. "É uma pena reconhecer quanto tempo levou para que o Estado brasileiro se responsabilizasse pela investigação desses fatos. É um consolo, enfim, mas um consolo amargo para todos nós", lamenta.      Dona Maria continuou procurando o filho por anos. Passou meses no Rio de Janeiro, foi às delegacias, aos quartéis, à Ordem dos Advogados do Brasil, à Confederação Nacional dos Bispos do Brasil. “Nunca esmoreceu. Enquanto teve forças em seu corpo continuou investigando, mesmo sozinha. Só acalmou-se e aceitou a morte quando em sonho, o próprio Honestino contou à mãe que estava bem, mas precisava ir embora”, diz.  A jornalista Kátia Aguiar, também muito ligada à família, lembra que em todos eles havia uma força que galvanizava as atenções. “Era fascinante, havia uma tranquilidade neles e, ao mesmo tempo, uma firmeza que ganhava o respeito e a admiração de qualquer pessoa”, defende enfática. Para ela, seria injusto acreditar que Honestino foi perseguido e morto por ser um radical. “Era uma poeta, um artista da palavra política. Tão calmo e preciso ao falar, com uma inteligência tão brilhante, que até os opositores o respeitavam”, declara. Ao encerrar a conversa, para mostrar o caráter do amigo, relata que, por algum tempo, Honestino foi protegido por adversários. Mesmo discordando das idéias, ajudaram na segurança do líder estudantil. “Apesar de todo o sofrimento, havia algo de muito belo e de muito amoroso em todos eles”, conclui.      Leia mais
Written on 21/09/2012, 18:00 by admin
morre-maria-rosa-mae-de-honestino-guimaraesComissão da Verdade da UnB recebeu notícia da morte no momento em que fazia sua quarta reunião para organizar os trabalhos de apuração para esclarecer as perseguições ocorridas no campus durante o regime Leia mais
Written on 18/09/2012, 16:54 by Luciana Barreto
Seminários e homenagens ilustram e discutem a relação entre o curso de cinema da UnB e o tradicional festival da cidade Leia mais
Written on 13/09/2012, 11:35 by
choro-pesquisaLivro financiado pelo edital de projetos comemorativos para os 50 anos resgata história do choro em Brasília e na UnB Leia mais
Written on 12/09/2012, 18:58 by
A 23ª Reunião da Comissão “UnB 50 Anos” acontece nesta quarta, 12 de setembro, das 14h15 às 17h40, no Salão de Atos da Reitoria. Leia mais
Written on 11/09/2012, 17:24 by
Pauta da 23ª Reunião da Comissão “UnB 50 Anos” a ser realizada na quarta, 12 de setembro de 2012, das 14h15 às 17h40, no Salão de Atos da Reitoria. Leia mais
Written on 10/09/2012, 15:34 by leypedrosa
Confira mais detalhes como a biografia dos participantes do Seminário "Memórias Afetivas: 50 Anos de Cinema na UnB", que acontece no dia 18 de setembro durante o 45º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Leia mais
Written on 10/09/2012, 15:22 by
Programação do evento inclui seminários, oficinas e mostras de filmes produzidos na Universidade de Brasília Leia mais
Written on 05/09/2012, 18:59 by leypedrosa
vera-brant-publicacoesA escritora descreve os desafios de Darcy Ribeiro para concretizar o sonho de uma universidade pública na capital do Brasil Leia mais
Written on 31/08/2012, 16:04 by Thiago
ex-estudantes-relembram-periodo-da-ditadura-na-unbHistórias do movimento estudantil permearam reunião realizada na quarta-feira, 29, com a participação da deputada federal Erika Kokay e dos jornalistas Beto Almeida e Tereza Cruvinel, ex-estudantes da UnB. Leia mais
Written on 30/08/2012, 11:54 by
Ocupação do campus Darcy Ribeiro pelos militares completa 44 anos um dia antes da segunda reunião da comissão que vai apurar violação de direitos humanos na UnB durante a ditadura militar Leia mais
Written on 28/08/2012, 22:15 by leypedrosa
Integrantes da Comissão UnB 50 Anos comentam desafios de gestão para o futuro da universidade Leia mais
Written on 28/08/2012, 17:23 by
Pauta da 22ª Reunião da Comissão “UnB 50 Anos” a ser realizada na quarta, 29 de agosto de 2012, das 14h15 às 17h25, no Salão de Atos da Reitoria. Leia mais
Written on 27/08/2012, 18:04 by admin
cruvinelA jornalista Tereza Cruvinel deve participar da próxima reunião da Comissão UnB 50 Anos no dia 29 de agosto. Cruvinel participou do movimento estudantil na UnB na década de 70, chegando a ser presa em 1976. (Foto-montagem com registros da prisão publicados em seu blog pessoal). Leia mais
Written on 24/08/2012, 13:25 by Thiago
O cineasta italiano Franco Taviani visitará a UnB no dia 27/08/2012 a convite da Comissão Comemorativa dos 50 Anos da UnB. Ele fará uma palestra no Auditório da Faculdade de Comunicação (ICC/Norte, Subsolo) às 10h30. Leia mais
Written on 23/08/2012, 20:47 by
brasilia-nas-cores-de-milton-ribeiroArtista plástico que chegou à Universidade em 1967 doa 250 obras à instituição e encanta Comissão dos 50 Anos com sua rica história de vida Leia mais
Written on 23/08/2012, 20:19 by leypedrosa
Raimundo Nonato de Souza dedicou mais de 31 anos de sua vida a uma universidade em plena construção. Aos 80 anos, Raimundo conta um pouco de sua trajetória para o hotsite UnB 50 Anos. Leia mais
Written on 20/08/2012, 20:37 by Vera Brant
Quando o Darcy voltou ao Brasil para ser operado de câncer no pulmão, em dezembro de 1974, levei o Juscelino para visitá-lo no hospital, no Rio. Quando saímos, o Juscelino me contou que, quando o Darcy estava tentando criar a Universidade de Brasília, juntamente com o Anísio Teixeira, ficava insistindo com o Victor Nunes Leal para marcar uma audiência com ele, presidente JK. Leia mais
Written on 20/08/2012, 19:40 by
propostas-aprovadas-por-chamada-publica-comecam-a-sair-do-papelIniciativas relacionadas às comemorações do cinquentenário da Universidade de Brasília aprovadas pela Chamada Pública UnB 50 Anos começam a sair do papel. Seminários, exposições, visitas programadas aos campi e várias outras atividades estão programadas para acontecer a partir da segunda quinzena de agosto. Leia mais
Written on 20/08/2012, 19:27 by Vera Brant
Em 1959, o Darcy Ribeiro, que era vice-diretor do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos- INEP- no Ministério da Educação, cujo diretor era o professor Anísio Teixeira, sonhou uma Universidade Brasileira que fosse a mais importante da América Latina. E insistia com o Presidente Juscelino para que a mesma fosse criada em Brasília. Leia mais
Written on 14/08/2012, 17:22 by
Pauta da 21ª Reunião da Comissão “UnB 50 Anos” a ser realizada na quarta, 15 de agosto de 2012, das 14h15 às 17h15, no Salão de Atos da Reitoria. Leia mais
Written on 10/08/2012, 20:09 by leypedrosa
Confira as principais informações sobre a aplicação de recursos das propostas aprovadas pela Chamada Pública "UnB 50 Anos". Leia mais
Written on 04/08/2012, 00:14 by
milgon-ribeiroObras do artista plástico e professor aposentado da UnB retratam Brasília na década de 1960. Doação foi proposta pelo filho do pintor, Milton Guran, durante reunião da Comissão UnB 50 Anos. Leia mais
Written on 01/08/2012, 16:45 by
Pauta da 20ª Reunião da Comissão “UnB 50 Anos” a ser realizada na quinta, 2 de agosto de 2012, das 14h15 às 17h15, no Salão de Atos da Reitoria. Leia mais
Written on 30/07/2012, 19:25 by leypedrosa
francisco-joaquim-de-carvalho-o-chiquinho-da-livraria-relata-o-momento-em-que-conheceu-o-escritor-saramago-na-unbFrancisco Joaquim de Carvalho, mais conhecido como Chiquinho da Livraria, relata o momento em que conheceu o escritor José Saramago na UnB em 1997, a partir de uma foto que enviou ao Álbum de Retratos do hotsite. Leia mais
Written on 26/07/2012, 19:07 by Thiago
Desde a última terça-feira, 24, a Faculdade de Tecnologia da UnB recebe a 42ª edição do Congresso Brasileiro dos Estudantes de Engenharia Florestal (CBEEF). Leia mais
Written on 13/07/2012, 18:01 by admin
Ministro Carlos Alberto Reis de Paula ressalta o cinquentenário da Universidade em sessão da Corte Leia mais
Written on 12/07/2012, 11:10 by
Propostas somam R$ 675 mil. Valor inicial do edital era de R$ 600 mil, mas a Comissão deliberou pelo acréscimo de recursos devido ao significativo número de projetos apresentados Leia mais
Written on 10/07/2012, 16:42 by
Pauta da 19ª Reunião da Comissão “UnB 50 Anos” a ser realizada na quarta, 11 de julho de 2012, das 8h15 às 12h e das 14h15 às 18h, no Salão de Atos da Reitoria. Leia mais
Written on 09/07/2012, 12:47 by
Uma equipe formada por ex-alunos da Universidade de Brasília está em campo buscando recursos para a produção de documentário comemorativo do cinquentenário da UnB. O filme, provisoriamente intitulado UnB 50 depoimentos, tratará das fases e eventos históricos marcantes da vida universitária em seus aspectos sociais, políticos e culturais. Leia mais
Written on 27/06/2012, 19:45 by
Procuramos imagens feitas pela Universidade. Pode ser a foto da formatura, um enquadramento nos jardins, algum instantâneo de uma aula ou até mesmo dos corredores do ICC. Se você possui algum registro histórico da UnB, envie para nós. Leia mais
Written on 27/06/2012, 19:21 by
Acesse a 22 perguntas e respostas sobre a Chamada Pública e tire suas dúvidas sobre que tipo de propostas são aceitas, onde baixar o formulário, quais são os recursos disponíveis, os prazos, prestação de contas, entre outros pontos. Leia mais
Written on 26/06/2012, 16:41 by
Pauta atualizada da 18ª Reunião da Comissão “UnB 50 Anos” a ser realizada na quarta, 27 de junho de 2012, às 14h15, no Salão de Atos da Reitoria. Leia mais
Written on 21/06/2012, 16:16 by José Otávio Guimarães e André Leme
A trajetória do professor Emanuel Araújo na Universidade de Brasília é revivida em artigo escrito por José Otávio Guimarães e André Leme. Leia mais
Written on 20/06/2012, 12:52 by
Professores e técnicos administrativos podem inscrever propostas até 9 de julho. Comissão divulga documento para esclarecer possíveis dúvidas Leia mais
Written on 19/06/2012, 12:52 by admin
"Caro(a) colega,Em celebração ao cinquentenário da Universidade de Brasília, gostaríamos de lhe convidar para cerimônia de lançamento da Chamada Pública de Propostas UnB 50 anos número 01/2012, que acontece nesta terça, 19/6, às 15h, no Salão de Atos da Reitoria.Nesta ocasião, será apresentado o regulamento da Convocatória, que vai ser publicado posteriomente em www.unb.br e www.unb50anos.com.br. A convocatória pretende fomentar a apresentação e a realização do maior número possível de projetos, programas, eventos, exposições, atividades artísticas, seminários, produtos impressos e/ou produtos audiovisuais e ações de restauro relacionadas à comemoração dos 50 anos da Universidade de Brasília.Até 9/7, as unidades acadêmicas e os centros de custo poderão apresentar iniciativas de até R$ 40 mil, que devem ser desenvolvidas entre agosto e outubro deste ano. Atenciosamente,Prof. Fernando Oliveira PaulinoCoordenador ExecutivoComissão UnB 50 Anosunb50anos@unb.br"Leia mais
Written on 12/06/2012, 16:40 by
Pauta da 17ª Reunião da Comissão “UnB 50 Anos” a ser realizada na quarta, 13 de junho de 2012, às 14h15, no Salão de Atos da Reitoria. Leia mais
Written on 29/05/2012, 16:38 by
Pauta da 16ª Reunião da Comissão “UnB 50 Anos” a ser realizada na quarta, 30 de maio de 2012, às 14h15, no Salão de Atos da Reitoria. Leia mais
Written on 21/05/2012, 22:32 by leypedrosa
festa-intercalou-programacao-musical-com-intervencoes-e-instalacoes-artisticas-sobre-a-unbDiferentes mundos musicais em um só lugar. De um lado, ritmo de soul samba. Do outro, indie eletro. No meio, a mistura entre ritmos internacionais consagrados com sons bem brasileiros, a exemplo do technobrega. Essa foi a programação da Calourada UnB que aconteceu no último sábado, 19, com três espaços musicais simultâneos e uma cenografia montada em diferentes pontos do Centro Comunitário. Promovida pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE) e Centros Acadêmicos (CAs), a festa trouxe como tema o universo da UnB em seus 50 anos de história.A Banda Uó animou o público com o seu estilo technobrega. “Eu fui por causa deles. O que me atraiu foi o estilo diferente de uma banda nova e bacana”, conta a estudante de Serviço Social, Amanda Santos, que não tinha ido ainda a uma calourada. Depois de se apresentar, a banda goiana acompanhou a festa até fim e agradeceu em seu twitter oficial (ferramenta de mídia social) a presença do público, cerca de 6 mil, de acordo com organização do evento. Perto das 4 horas da manhã, entrou no palco o Bloco do Sargento Pimenta, do Rio de Janeiro. Pela primeira vez no DF, o bloco é um projeto musical que mistura o som dos Beatles aos ritmos brasileiros. Apesar do horário, a maioria dos presentes curtiu o show do bloco. “A banda saiu daqui com bastantes fãs brasilienses”, avalia a coordenadora de eventos do DCE, Anna Clara Balzacch. Além das apresentações musicais, a festa contou com intervenções artísticas como grafitagem, as Kombis de Bia Medeiros e as performances coordenadas pelo artista Willian Lopes, que simbolizaram momentos da história da UnB e de Brasília. Referências ao jubileu Ana Beatriz é caloura do curso de história e não sabia que a festa integraria as comemorações de 50 anos da UnB. Mesmo assim, em sua opinião, o evento representou bem o jubileu por conseguir mobilizar várias pessoas do DF e até de outros estados. É o caso de Vinícius Santana, que soube da festa pela rede social Facebook, resolveu vir até Brasília para o evento e visitar o irmão. O curioso é que Vinícius mora em Curitiba e cursa direito na Universidade Federal do Paraná. “Eu nunca tinha participado de uma festa com tanta ousadia cenográfica”, relata. O aluno também chama atenção para as diferentes intervenções como o rappel realizado nas pilastras do Centro Comunitário. “Essas atividades proporcionam uma experiência auditiva e visual fantásticas”, completa. Rafael Holanda, estudante de Gestão de Políticas Públicas na UnB e que tem experiência de cinco calouradas, compartilha da opinião do paranaense: “tinha um ambiente só da história da UnB e de seus movimentos. Quem entrou, ficou no clima”. Holanda já se envolveu com a organização de três calouradas e não deixou de acompanhar as últimas duas. Já na visão de Anna Clara Balzacchi, a festa também homenageou o movimento estudantil. “Há bastante o que fazer, mas muito já foi feito e a gente precisa lembrar com carinho o que já ocorreu e comemorar”, emociona-se. Balzacchi conta que um dos fatores de sucesso da calourada foi a colaboração direta de vários estudantes e de mais de 40 centros acadêmicos.Leia mais
Written on 16/05/2012, 19:08 by Francisco de Assis Rocha Neves
”A constante fundamental é meu profundo descontentamento com a universidade tal qual é (...). A tarefa de renovação universitária é talvez o mais pungente desafio com que se defrontam os pensadores do mundo moderno.” In: RIBEIRO, Darcy. A Universidade Necessária, São Paulo, Editora Paz e Terra, 1969. Leia mais
Written on 16/05/2012, 15:20 by Francisco de Assis Rocha Neves
Por Francisco de Assis Rocha Neves ”A constante fundamental é meu profundo descontentamento com a universidade tal qual é (...). Leia mais
Written on 16/05/2012, 12:42 by Luiz Motta
Artigo escrito pelo professor Luiz Motta resgata a vida no campus da UnB nos dias mais cinzentos da ditadura militar. Leia mais
Written on 15/05/2012, 18:11 by
Sobre: Doutora em Ciências da Saúde pela UnB, Maria Fátima de Sousa é professora adjunta do Departamento de Saúde Coletiva, da Faculdade de Ciências da Saúde (UnB), coordenadora do Mestrado Profissionalizante do Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva e coordenadora do Núcleo de Estudos em Saúde Pública (NESP/UnB), onde implantou a Unidade de Estudos e Pesquisas em Saúde da Família (UEPSF). Leia mais
Written on 15/05/2012, 16:36 by
Pauta da 15ª Reunião da Comissão “UnB 50 Anos” a ser realizada na quarta, 16 de maio de 2012, às 14h15, no Salão de Atos da Reitoria. Leia mais
Written on 07/05/2012, 21:16 by leypedrosa
todorov-entrevistaEm entrevista, professor alerta que universidade não pode ficar dependente somente de verbas do governo Leia mais
Written on 04/05/2012, 17:51 by admin
Ainda este semestre a UnB terá seu primeiro Registro Arquitetônico. A iniciativa, que envolve a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, a Prefeitura do Campus, o Centro de Planejamento Oscar Niemeyer (Ceplan) e o projeto ProMemória, faz parte das comemorações dos 50 anos da Universidade.O projeto – que está sendo acalentado há 10 anos – destaca construções emblemáticas, como o Instituto Central de Ciências, a Colina Velha e a Faculdade de Educação, e inclui prédios mais recentes como as instalações do campus de Planaltina. “Não é só a questão do prédio e da arquitetura em si, mas a maneira com que a UnB conseguiu transformar a comunidade com sua presença” ressalta o arquiteto Márcio Nascimento, da Prefeitura da UnB.Para Márcio Nascimento, o fato de a Universidade estar em expansão retardou a conclusão do catálogo. “Se tivéssemos fechado esse trabalho há cinco anos, não estariam incluídos prédios novos como o Instituto de Química e o Instituto de Biologia.”Ainda que as novas edificações tenham estilos diversificados, os arquitetos identificam referências com relação a outros prédios icônicos da Universidade. O Instituto de Química, por exemplo, recupera a ideia original do Instituto Central de Ciências, com dois blocos paralelos e uma cobertura central. “Os próprios pavilhões Anísio Teixeira e João Calmon lembram muito os prédios de Serviços Gerais de um pavimento”, completa Soares.Leia mais
Written on 04/05/2012, 17:51 by admin
Lançada em dezembro do ano passado para abrir as celebrações do jubileu, a imagem traz em cores e formas a riqueza da história protagonizada pela instituição desde a criação, em 21 de abril de 1962, até os dias de hoje. O desafio de representar 50 anos de história em uma imagem foi encarado pela dupla de designers brasilienses Pablo Júlio e Esteban Pinilla. Formados em Publicidade pela UnB, os sócios, que comandam a Anticorp Design buscaram inspiração em palavras e conceitos que representam o espírito da Universidade. Democrática, diversa, emancipatória, humanista, rebelde e produtiva foram algumas das características levantadas pelos criadores. A nova marca não substitui os traços tradicionais do símbolo da UnB, inspirado no formato de avião de Brasília e esboçado pelo urbanista Lucio Costa no início da década de 1960. A peça multicolor, representada por um grafismo multicolorido – como se fossem caixas sobrepostas - é um elemento a mais na identidade visual da universidade e já faz parte das ações e documentos produzidos pela instituição em 2012. Estrategicamente planejada, a logomarca permite versatilidade no uso e pode ser reproduzida em cores, preto e branco, na horizontal e na vertical. O espírito progressista de Darcy Ribeiro, um dos idealizadores do projeto revolucionário que caracterizou a UnB, também aparece estampado na logomarca. O desenho deve ser complementar ao ícone verde-azul da Universidade de Brasília, vindo sempre ao lado dele. Um produto da Secretaria de Comunicação da Universidade, a marca passou pelo crivo da Comissão UnB 50 anos, onde recebeu propostas de alteração nas cores: na proposta anterior havia um tom de rosa que não agradou aos integrantes. A percepção da forma final, avaliam os criadores, se dá de maneira subjetiva, de acordo com o que se conhece da Universidade. É visível nos traços arrojados, por exemplo, tanto a preocupação em valorizar a história como a de transmitir a ideia de projeção para o futuro que traçará os próximos 50 anos da UnB. Pablo e Esteban acham que a logomarca representa bem a UnB, principalmente na questão da “rebeldia criativa”, tanto que rapidamente se incorporou à paisagem e ao entorno da Universidade. Ela agora aparece nas canecas que os calouros receberam como presente de boas-vindas, nos cartazes e em eventos promovidos pelos estudantes.Leia mais
Written on 04/05/2012, 17:50 by admin
Ganhou um reforço de peso em abril do ano passado. No dia oito daquele mês, a resolução da Reitoria Nº 0011/2012 constituiu a Comissão UnB 50 Anos. Entre outras atribuições, a Comissão é responsável pela coordenação dos trabalhos e atividades relacionadas ao jubileu de uma das maiores e melhores universidades brasileiras. Composta por 31 membros, entre pioneiros, ex-professores e representantes docentes, discentes e dos servidores técnicos, a comissão reúne gerações. Seu objetivo é o debate e a deliberação sobre projetos apresentados pela comunidade, que sejam representativos em relação ao meio século de história da UnB. Entre os convidados se encontram nomes como Isaac Roitman, José Carlos Coutinho, Luís Humberto e Vladimir Carvalho. Até abril deste ano, a Comissão aprovou 25 projetos. Entre eles, a reedição do Festival Latino-Americano e Africano de Arte e Cultura (Flaac), realizado pela última vez em 1987, o samba-enredo da Acadêmicos da Asa Norte em homenagem à UnB, que deu o título à agremiação depois de 25 anos sem vencer o carnaval de Brasília, e um projeto para a permanência de pessoas com necessidades especiais no campus. Coordenada pelo professor da Faculdade de Comunicação e especialista em Políticas Públicas e Comunicação Comunitária Fernando Oliveira Paulino, a Comissão se reúne, ordinariamente, uma vez por mês. Para o dia do jubileu, o grupo que permanece ativo pelos próximos 12 meses prepara um presente especial para a UnB: um edital específico para financiar projetos relacionados ao cinquentenário.Leia mais
Written on 04/05/2012, 00:48 by admin
historia-arquitetonica-da-unb-atravessou-etapas-de-implantacao-e-de-expansao-ate-os-dias-de-hoje-novos-predios-estendem-os-conceitos-ate-as-cidades-satelite1Assim como a Capital Federal, a Universidade de Brasília é fruto de um dos períodos mais expressivos da história da arquitetura brasileira. Os traços limpos e funcionais do modernismo combinaram-se à urgência de instalar a Universidade, no início dos anos 1960. Todos os dias, milhares de estudantes, professores e funcionários transitam por obras importantes de arquitetos como Oscar Niemeyer, Alcides da Rocha Miranda e João Filgueiras de Lima, o Lelé. Nestes 50 anos de história, a arquitetura da UnB pode ser dividida em quatro fases: 1) construção dos primeiros prédios, na década de 60; 2) desenvolve-se nos anos 70, com projetos dos professores que chegaram à Faculdade de Arquitetura e Urbanismo a partir de 1968; 3) compreende o período de abertura política da Universidade, entre os anos 80 e 2000, e 4) a fase atual é caracterizada pela expansão da UnB no Distrito Federal. Experiências inovadoras A primeira fase compreende mesmo os anos de implantação da Universidade, na década de 1960. À época, Oscar Niemeyer coordenava o Centro de Planejamento (Ceplan), concebido de forma a garantir a dedicação exclusiva dos professores de Arquitetura que, além de ministrar aulas, trabalhavam na construção da Universidade. Alcides da Rocha Miranda dirigia o Instituto Central de Artes (ICA), ao qual era ligada a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Dr. Alcides projetou construções que serviram de cenário a momentos históricos da Universidade como a Faculdade de Educação – que abrigou o gabinete do reitor Darcy Ribeiro e a Reitoria até 1975 – e o Auditório Dois Candangos, concluído 20 minutos antes da cerimônia de inauguração do campus. Com o objetivo de abrigar as diversas atividades da UnB, os primeiros prédios são marcados pela versatilidade, explica o arquiteto e professor aposentado da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo José Carlos Córdova Coutinho. O Instituto Central de Ciências, projetado por Niemeyer, é o projeto mais icônico da primeira fase. O prédio de 720 metros de cumprimento, dividido em duas alas, com três andares cada, foi inaugurado em 1971, após oito anos de obras. Feito com pré-moldados, foi ocupado em partes, na medida em que as seções ficavam prontas. O professor Coutinho lembra que, quando chegou à UnB, em 1968, apenas a extremidade sul do Minhocão estava pronta. “Havia um trilho onde é o jardim e uma enorme grua corria sobre ele, enquanto as peças de concreto estavam sendo fundidas do lado de fora. Realmente é uma das grandes obras da arquitetura brasileira em qualquer época”, declara o professor. “É uma concepção muito inovadora: praticamente toda a Universidade é alojada ao longo de uma rua.” Exemplos típicos desse pensamento ao mesmo tempo revolucionário e pragmático são os prédios de Serviços Gerais, assinados por Oscar Niemeyer, entre eles o Auditório de Música (SG-8) e o prédio do Ceplan (SG-10). “Não tinham uma cara definida, uma divisão interna muito caracterizada, para poder abrigar qualquer coisa com flexibilidade”, argumenta o professor. “São obras-primas da arquitetura do período, exatamente por serem edifícios despretensiosos, inovadores.” Havia espaço para todo tipo de experimentação. A construção da chamada Colina Velha – blocos A, B, C e D da residência dos servidores da Universidade –, projetada por Lelé, por exemplo, foi pioneira no uso de pré-moldados no Brasil. Os edifícios, de três andares sobre pilotis, foram concluídos em 1963, usando a técnica, que estava em voga na Europa. A ideia vinha da França, do período pós-guerra, quando foi preciso edificar de forma barata e rápida. Nova geração A segunda fase é marcada pelo trabalho dos professores que chegaram à Universidade em 1968 com a missão de reestruturar a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. O prédio da FAU foi interditado pelos alunos, insatisfeitos com a qualidade de ensino, após a demissão em massa de 223 professores em 1965. O Restaurante Universitário, a Reitoria, a Biblioteca Central, a Faculdade de Ciências da Saúde e a Faculdade de Tecnologia são destaques desse período que compreende os anos 1970. O gaúcho José Carlos Córdova Coutinho faz parte dessa geração de professores. À época, o Restaurante Universitário funcionava em um barracão instalado próximo à Oca, área que concentrava a movimentação do campus Darcy Ribeiro até a conclusão do ICC. “Isso era a Universidade. A gente andava por aí no meio do Cerrado. E cabia à nossa geração recém-chegada dar continuidade ao campus”, afirma o professor. Inaugurado em 1975, o prédio da Reitoria é uma das obras mais significativas desse período. O projeto é do professor Paulo de Mello Zimbres. O arquiteto, que chegou a Brasília em 1969, lembra do clima de efervescência criativa que encontrou na Universidade, apesar das pressões políticas. “Havia a vontade de construir uma escola junto com os alunos, uma escola ambiciosa, semelhante ao espírito da Bauhaus. Queríamos fazer uma escola que pensasse com liberdade”, salienta o professor paulista, que foi coordenador da Ceplan em 1971. Segundo Zimbres, o projeto da Reitoria foi influenciado pelo estilo brutalista, que valoriza o concreto armado, sem acabamento. “Mas fui contaminado pela beleza do Cerrado, do céu escancarado de Brasília. Concebemos o prédio olhando para a natureza, com rasgos que miram o horizonte.” O projeto original tinha lagos na parte térrea, em vez de jardins. Com três andares, a construção vazada, dotada de rampas, favoreceria a circulação do ar que vem do Lago Paranoá, tornando o ambiente mais fresco. “Os espelhos d’água criavam uma espécie de oásis”, exemplifica o professor, que hoje lamenta quantidade de aparelhos de ar-condicionado na fachada do edifício. A característica integrada do prédio, com o Auditório e Salão de Atos voltados para as rampas de acesso aos andares, contrasta com a tensão política do período em que o prédio foi construído. “O Auditório foi concebido como uma sala de conselho. Tínhamos de ver o rosto do reitor e dos conselheiros tomando as grandes decisões da Universidade. Era uma espécie de glasnost”, explica Zimbres, referindo-se à política de transparência implementada na União Soviética pelo presidente Mikhail Gorbachev. A abertura política, que teve início na Universidade com a eleição do reitor Cristovam Buarque, trouxe mudanças na estrutura administrativa da UnB, de modo a torná-la mais aberta e transparente. Na terceira fase, foram construídos edifícios que ofereciam mais espaço para a expansão de órgãos consolidados. Prédios como os Multiuso I e II, o Centro de Excelência em Turismo, o Posto de Gasolina e a Colina Nova – blocos E, F, G, H, I e J – revelam propostas mais heterogêneas, marcadas pela experimentação estrutural e formal. Atualmente, a Universidade continua em expansão. O Instituto de Química, o Instituto de Ciências Biológicas, o Memorial Darcy Ribeiro e as Faculdades de Gama, Planaltina e Ceilândia são construções importantes do período. O diretor do Ceplan Alberto de Faria avalia que a quarta fase arquitetônica da UnB é marcada pelo dinamismo. “Os edifícios trabalham o conceito de flexibilidade, com a possibilidade de ser modificados internamente, e assumem critérios de sustentabilidade, economia de energia e no uso de água.” Além disso, o diretor destaca que os novos projetos foram concebidos de forma a oferecer mais segurança a quem os utiliza: “Houve uma mudança social muito intensa. No início, os edifícios foram projetados para uma sociedade mais aberta, favoreciam o trânsito de pessoas. Hoje, a preocupação com a segurança de pessoas e equipamentos nos leva a tomar cuidados já desde o projeto”. Leia mais
Written on 02/05/2012, 16:23 by
Comissão do cinquentenário aprova, em parceria com o MEC, projeto que trará 500 professores do todo o Brasil ao campus Leia mais
Written on 01/05/2012, 16:34 by
Pauta da 14ª Reunião da Comissão “UnB 50 Anos” a ser realizada no dia 2 de maio de 2012, às 14h15, no Salão de Atos da Reitoria. Leia mais
Written on 30/04/2012, 16:18 by Grace Maria Machado de Freitas
O presente que gostaria de oferecer à Universidade de Brasília pelo seus 50 anos teria que estar em harmonia e honrar as premissas de sua fundação : "uma universidade que fundamentasse o espirito cientifico, cultural e tecnologico", na capital do país, comprometida com a “solução de problemas brasileiros e com os padrões internacionais do saber”. Leia mais
Written on 30/04/2012, 16:15 by Volnei Garrafa
Brasília e o país comemoram os primeiros 50 anos da Universidade de Brasília. Nessas cinco décadas mudou o mundo, como também mudaram o Brasil e o Distrito Federal. Leia mais
Written on 30/04/2012, 16:10 by Maria Luisa Ortiz
Há cinquenta anos, um sonho tornou-se realidade: Brasília, jovem capital projetada para o futuro, dá à luz uma alma mater, a universidade necessária da qual falara Darcy Ribeiro. Leia mais
Written on 30/04/2012, 16:06 by Cícero Lopes da Silva
No dia 21 de abril de 2012 a UnB completou 50 anos, podendo ser considerada uma senhora. Em termos mundiais, 50 anos para uma universidade são uma fração muito pequena, tendo em vista que existem na Europa instituições com 800 anos. Leia mais
Written on 30/04/2012, 15:56 by Marcelo Bizerril
Eu não era nascido na inauguração da UnB. Mas ao ver fotos, relatos e histórias da época, é inevitável a tentação de imaginar como devem ter sido os primeiros tempos daquela que hoje é uma das maiores universidades da América Latina. Leia mais
Written on 29/04/2012, 22:14 by Anna Beatriz Lisbôa
historia-arquitetonica-da-unb-atravessou-etapas-de-implantacao-e-de-expansao-ate-os-dias-de-hoje-novos-predios-estendem-os-conceitos-ate-as-cidades-sateliteHistória arquitetônica da UnB atravessou etapas de implantação e de expansão até os dias de hoje. Novos prédios estendem os conceitos até as cidades-satélite. Assim como a Capital Federal, a Universidade de Brasília é fruto de um dos períodos mais expressivos da história da arquitetura brasileira. Os traços limpos e funcionais do modernismo combinaram-se à urgência de instalar a Universidade, no início dos anos 1960. Todos os dias, milhares de estudantes, professores e funcionários transitam por obras importantes de arquitetos como Oscar Niemeyer, Alcides da Rocha Miranda e João Filgueiras de Lima, o Lelé. Nestes 50 anos de história, a arquitetura da UnB pode ser dividida em quatro fases: 1) construção dos primeiros prédios, na década de 60; 2) desenvolve-se nos anos 70, com projetos dos professores que chegaram à Faculdade de Arquitetura e Urbanismo a partir de 1968; 3) compreende o período de abertura política da Universidade, entre os anos 80 e 2000, e 4) a fase atual é caracterizada pela expansão da UnB no Distrito Federal. Experiências inovadoras. A primeira fase compreende mesmo os anos de implantação da Universidade, na década de 1960. À época, Oscar Niemeyer coordenava o Centro de Planejamento (Ceplan), concebido de forma a garantir a dedicação exclusiva dos professores de Arquitetura que, além de ministrar aulas, trabalhavam na construção da Universidade. Alcides da Rocha Miranda dirigia o Instituto Central de Artes (ICA), ao qual era ligada a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Dr. Alcides projetou construções que serviram de cenário a momentos históricos da Universidade como a Faculdade de Educação – que abrigou o gabinete do reitor Darcy Ribeiro e a Reitoria até 1975 – e o Auditório Dois Candangos, concluído 20 minutos antes da cerimônia de inauguração do campus. Com o objetivo de abrigar as diversas atividades da UnB, os primeiros prédios são marcados pela versatilidade, explica o arquiteto e professor aposentado da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo José Carlos Córdova Coutinho. O Instituto Central de Ciências, projetado por Niemeyer, é o projeto mais icônico da primeira fase. O prédio de 720 metros de cumprimento, dividido em duas alas, com três andares cada, foi inaugurado em 1971, após oito anos de obras. Feito com pré-moldados, foi ocupado em partes, na medida em que as seções ficavam prontas. O professor Coutinho lembra que, quando chegou à UnB, em 1968, apenas a extremidade sul do Minhocão estava pronta. “Havia um trilho onde é o jardim e uma enorme grua corria sobre ele, enquanto as peças de concreto estavam sendo fundidas do lado de fora. Realmente é uma das grandes obras da arquitetura brasileira em qualquer época”, declara o professor. “É uma concepção muito inovadora: praticamente toda a Universidade é alojada ao longo de uma rua.” Exemplos típicos desse pensamento ao mesmo tempo revolucionário e pragmático são os prédios de Serviços Gerais, assinados por Oscar Niemeyer, entre eles o Auditório de Música (SG-8) e o prédio do Ceplan (SG-10). “Não tinham uma cara definida, uma divisão interna muito caracterizada, para poder abrigar qualquer coisa com flexibilidade”, argumenta o professor. “São obras-primas da arquitetura do período, exatamente por serem edifícios despretensiosos, inovadores.” Havia espaço para todo tipo de experimentação. A construção da chamada Colina Velha – blocos A, B, C e D da residência dos servidores da Universidade –, projetada por Lelé, por exemplo, foi pioneira no uso de pré-moldados no Brasil. Os edifícios, de três andares sobre pilotis, foram concluídos em 1963, usando a técnica, que estava em voga na Europa. A ideia vinha da França, do período pós-guerra, quando foi preciso edificar de forma barata e rápida. Leia mais
Written on 17/04/2012, 16:30 by
Pauta da 13ª Reunião da Comissão “UnB 50 Anos” a ser realizada no dia 18 de abril de 2012, às 14h15, no Salão de Atos da Reitoria. Leia mais
Written on 16/04/2012, 11:50 by Roque Laraira
Por Roque Laraira A Universidade de Brasília completa 50 anos. Qual seria o presente que ela merece? No projeto original de Darcy Ribeiro e Anísio Teixeira, em um dos lados da praça maior, deveria existir um grande Museu da Cultura Brasileira. Leia mais
Written on 05/04/2012, 16:35 by
Exposição que apresenta registros dos anos de implantação da Universidade de Brasília será reinaugurada na Biblioteca Leia mais

internas_instagram

Poste uma foto do seu celular com #unb50anos ou #unb

Politica de privacidade